Empresas açorianas usam tecnologia para conquistar o mundo

De startups ligadas ao bem-estar animal a grupos económicos de grande dimensão, as empresas açorianas apostam no I&D para expandir negócios. O JE foi conhecer várias empresas que estão a dar cartas lá fora.

Quer os grandes grupos económicos dos Açores quer as startups locais têm, nos últimos anos, procurado integrar no seu roadmap a expansão internacional. A crise pode travar a presença física destas empresas em novos mercados, porém impele a encontrar alternativas: é possível dar cartas lá fora através de parcerias na Investigação e Desenvolvimento (I&D).

O Terinov – Parque de Ciência e Tecnologia da Ilha Terceira, que acolhe neste momento 33 empresas e quatro projetos de cariz científico, tem acompanhado o percurso de dezenas de empresários do arquipélago. Ao Jornal Económico (JE), o diretor executivo diz que há startups “quase exclusivamente direcionadas para o mercado de exportação” que sobressaem “pela capacidade em quebrar quaisquer barreiras geográficas, provando que é possível trabalhar dos Açores para o mundo e assumindo, sem receios ou reservas, um posicionamento sério no mercado global”.

Duarte Pimentel dá o exemplo da tecnológica Eyecon, que detém uma carteira de clientes internacionais “muito interessante”, a AzoresTouch, que tem promovido a região no estrangeiro, ou a Redcatpig Studio, na indústria dos videojogos, que venceu um concurso da PlayStation. O responsável do Terinov salienta que o tecido empresarial açoriano “conta, cada vez mais, com empresas com vontade de se reinventarem e crescerem, de desenvolverem serviços e produtos diferenciadores e capazes de dar resposta às necessidades de um mercado cada vez mais exigente”.

É também o caso da YaraPets, que desenvolveu uma solução de bem-estar animal patenteada hoje na União Europeia, Estados Unidos e Rússia.

A empresa criou uma caixa de areia para gatos que se desinfeta diariamente em apenas dois ou três minutos e pretende agora fechar uma campanha de crowdfunding para lançar o produto no mercado “dentro em breve”, numa estratégia Business to Consumer (B2C).

“O plano mais importante é terminar o desenvolvimento do produto, ao que paralelamente se juntam o encerramento do processo de reconhecimento da patente no Japão e no Brasil”, conta o CEO. Dúnio Couto aplaude o facto de nos Açores haja uma “aposta de criação de condições de trabalho, oportunidades e incentivos para novas empresas e novos negócios”.

“Isto tem facilitado o acesso a novas redes, que acabam por cobrir um vasto expecto de territórios e atividades, que muito beneficia os promotores, como a sistemas e ferramentas de apoio”, diz.

A Empresa de Eletricidade dos Açores (EDA) mantém-se a liderar o ranking das 10 maiores empresas da região autónoma, de acordo com a última tabela divulgada pela revista “100 Maiores Empresas dos Açores” (2018). No ano passado, o grupo apresentou lucros de 16,5 milhões de euros e, apesar de o chairman antecipar uma redução no resultado líquido anual, prevê números “claramente” positivos. Composto por quatro empresas (EDA, EDA Renováveis, Globaleda e Segma) inseridas no mercado regional, o grupo têm participado em consórcios internacionais sobre eficiência energética e mobilidade – entre os quais o V2G (Vehicle to Grid) – e noutros projetos de navegação aérea com a Agência Espacial Europeia.

Ao JE, o presidente do conselho de administração da EDA diz que os Açores estavam a ganhar notoriedade nos mercados internacionais, sobretudo devido ao crescimento expressivo dos fluxos turísticos nas ilhas dos Açores surgiam novas iniciativas de oferta turística, algo que a pandemia acabou por abalar. “Os primeiros dois meses foram de estrito confinamento e de uma paragem brusca de muitos setores da atividade económica. Desde junho assiste-se a uma retoma, ainda incipiente, que tem de ser acarinhada e muito cuidada para voltarmos a uma suposta nova normalidade. A verdadeira retoma só será conseguida quando a segurança das pessoas for restabelecida. Em 2020 prevejo que todas as empresas acabem por ser afetadas negativamente para este contexto da pandemia”, refere Duarte Ponte.

O diretor executivo do Terinov mostra-se mais otimista, porque acredita que o dinamismo do ecossistema empreendedor e os protocolos de cooperação com parceiros vão ser cruciais neste processo de recuperação económica e expansão internacional. “Materializam-se, por exemplo, na participação em projetos de I&D. Estes mecanismos têm permitido posicionarmo-nos internacionalmente enquanto entidade de interface ao serviço da promoção de uma cultura científica, tecnológica, de inovação e de empreendedorismo de elevada qualidade e rigor”, destaca.

Ler mais
Recomendadas

PremiumISQ vai investir mais de um milhão de euros no fabrico aditivo (3D)

Pedro Matias, presidente da empresa, anuncia que vai ser criado um Laboratório de Manufatura Aditiva, que será único em Portugal.

Salas de cinema registam quebras na ordem dos 96% em julho

Segundo os dados do Instituto do Cinema e do Audiovisual, as salas de cinema nacionais receberam no último mês cerca de 78 mil espectadores, o que traduz uma quebra de 95,6% comparativamente à audiência em 2019,

PremiumRisco de continuidade do negócio é o mais relevante para as empresas

Um estudo da MDS revela que a possibilidade de recuperação em ‘V’ é, do lado das empresas, uma miragem: um a três anos é o tempo mínimo esperado de regresso à atividade pré-pandemia.
Comentários