Empresas gastam em média 3 milhões de euros com integração de sistemas

Só cerca de um terço dos mais de 800 inquiridos pela MuleSoft conseguiu entregar todos os projetos de tecnologias da informação no ano passado, concluiu o estudo “2021 Connectivity Benchmark Report”.

Os custos de integração de sistemas tecnológicos por parte das empresas subiram para uma média de 3,5 milhões de dólares (cerca de 2,9 milhões de euros) em todo o mundo, de acordo com “2021 Connectivity Benchmark Report” elaborado pela norte-americana Mulesoft.

O relatório divulgado esta terça-feira (re)confirma que a procura por tecnologia tem aumentado de forma massiva. Aliás, as empresas inquiridas pediram aos departamentos de tecnologias da informação (TI) para entregarem mais projetos este ano: um aumento homólogo de 30% (242 projetos em 2020 e 315 projetos este ano).

Só cerca de um terço dos mais de 800 participantes no estudo conseguiu entregar todos os projetos de TI no ano passado, mas a maioria (77%) diz que se não completar as iniciativas de transformação digital haverá um impacto significativo no negócio em 2022.

Entre as conclusões da análise da Mulesoft – detida pela Salesforce – está ainda que os departamentos de TI estão a investir quase 70% (68%) do seu tempo na manutenção dos negócios, o que acaba por deixar pouca margem de tempo para inovarem e desenvolverem projetos novos.

“As empresas, independentemente do sector de atuação, têm sentido uma rápida mudança na interação com clientes e colaboradores em canais digitais. Embora a maioria esteja a priorizar as iniciativas digitais, como o lançamento de uma plataforma de e-commerce ou aumentar a produtividade da equipa, o estudo demonstra que os silos de dados continuam a impedi-las de atingirem os objetivos definidos”, alerta o CEO da MuleSoft.

Brent Hayward garante que “as empresas que dão um maior poder às suas equipas de negócio e de TI para integrarem facilmente apps e dados, serão aquelas que conseguirão desbloquear a situação, abrindo espaço para a inovação em escala, ganhando simultaneamente uma vantagem competitiva”.

A empresa de software concluiu também que a migração de aplicações para a cloud (51%), a possibilidade de trabalhar à distância (48%) e a automatização de processos de negócio (47%) são as iniciativas-chave nas quais as empresas estão focadas em 2021.

Ler mais
Recomendadas

Grupo de trabalho defende subida de taxa nas barragens da Engie no rio Douro

Três das barragens pagam atualmente 67 mil euros por ano, mas com uma atualização da taxa passariam a pagar 751 mil euros anuais. Parte da receita da taxa de recursos hídricos deve ser usada no “apoio de projetos no território” impactado pelas barragens, defende o documento.

Luís Filipe Vieira vai hoje à Comissão de Inquérito para explicar reestruturação da dívida ao Novo Banco

Fundo que ficou com a maior parte das dívidas e ativos do grupo Promovalor ao Novo Banco não vai conseguir cumprir plano de reembolsos. Como o presidente do Benfica deu o seu aval, poderá ser executado pelo Novo Banco já no próximo ano. Vieira é um dos grandes devedores a ser ouvido nesta segunda-feira pelos deputados.

Vítor Bento será o próximo presidente da Associação Portuguesa de Bancos, avança Marques Mendes

Vítor Bento tem vasta experiência no sector financeiro. O economista foi presidente executivo da SIBS e também foi o último presidente do Banco Espírito Santo e o primeiro do Novo Banco.
Comentários