Empresas portuguesas rejeitam pagamentos com criptomoedas

No prazo de dois anos, 78% das empresas portuguesas garantiram que não pretendem adotar este método de pagamento e 20% não sabem se o farão, segundo indica o European Payment Report 2018.

Cristina Bernardo

Apenas 2% das empresas europeias aceitam criptomoedas como a bitcoin ou a ethereum como método de pagamento pelos clientes. No caso de Portugal, a percentagem cai mesmo para 0%, enquanto, no Reino Unido, 15% das firmas já aceita o método de pagamento inovador, segundo revela o European Payment Report 2018.

No prazo de dois anos, 78% das empresas portuguesas garantiram que não pretendem adotar este método de pagamento e 20% não sabem se o farão. A nível europeu, 87% das empresas dizem explicitamente que não adotarão criptomoedas no mesmo período.

No inquérito da Intrum, que analisou o comportamento de pagamentos das empresas e do Estado com base em respostas de 9.607 empresas de 29 países, as 2% das empresas europeias inquiridas declararam ainda que detêm criptomoedas para outros fins que não transações de pagamento, ou seja, como investimento, por exemplo.

“As criptomoedas, como a bitcoin ou a ethereum, têm sido um tema muito debatido nos últimos dois anos, tanto como forma de pagamento, como nos potenciais veículos de investimento, ou mesmo num contexto social mais amplo, onde as criptomoedas e a tecnologia subjacente, são vistas com tendo grande potencial disruptivo”, referiu Luís Salvaterra, diretor-geral da Intrum Portugal, em comunicado.

“Ainda assim, este método de pagamento é bastante desconhecido para a maior parte das pessoas e empresas, acabando por gerar alguma desconfiança e receio devido às notícias de ciberataques de hackers que têm ocorrido a nível mundial, por exemplo”, acrescentou.

As criptomoedas são moedas digitais descentralizadas que servem como meio de troca de valor (monetário ou não) através da tecnologia blockchain, cuja criptografia assegura a validade das transações e a criação de novas unidades da moeda. Apesar de ser um fenómeno global atual, a adoção de criptomoedas como opção de pagamento na Europa ainda é prematura, segundo indica o estudo da Intrum.

Ler mais
Relacionadas

PremiumCriptomoeda IVA pode ser a “evolução natural” do e-fatura português

A AT apontou para as potencialidades da tecnologia blockchain para o pagamento de impostos. Em entrevista ao Jornal Económico, o advogado especializado nesta tecnologia e membro do departamento legal e jurídico da APBC, Rui Simões, explicou que esta poderá ser uma opção em Portugal.

Presidente da APBC: Portugal precisa de “regulação favorável ao crescimento da cripto-economia”

Frederico Antunes, da Associação Portuguesa de Blockchain e Criptomoedas, considera que o problema de fundo em Portugal é como enquadrar as criptomoedas já existentes no sistema financeiro e fiscal tradicional.

Mercado das criptomoedas perde 550 mil milhões de euros desde janeiro

O índice “Bloomberg Galaxy Crypto”, que engloba as principais moedas virtuais, recuou 4,1% (para 392,68 pontos) por volta das 8:30 (hora de Lisboa) desta segunda-feira.
Recomendadas

Greve na Transtejo/Soflusa desconvocada

A paralisação, agendada para a partir de terça-feira, foi hoje suspensa, na sequência da subscrição de um protocolo negocial entre a administração da empresa e os sindicatos.

Joe Berardo pondera chamar Vítor Constâncio como testemunha contra banca

O empresário e coleccionador de arte português José Berardo está a estudar a hipótese de chamar o antigo governador do Banco de Portugal (BdP) Vítor Constâncio como testemunha num processo movido pelos bancos, revela o “Público” esta segunda-feira. Em causa está o processo judicial para recuperar 962 milhões de euros. A informação foi transmitida ao […]

Crise em Angola obriga empresários a recrutarem mais talentos angolanos

Estudo divulgado esta segunda-feira revela que as empresas angolanas, em 2018, recrutaram mais licenciados e bacharéis para trabalhar na área tecnológica, com maior domínio de HTML, Java, SQL, Visual Basic e Visual Basic Net.
Comentários