Empresas têxteis portuguesas recrutam trabalhadores na Ásia

À falta de mão de obra acrescem os aumentos salariais que estão a levar mais confeções para o Norte de África.

Várias indústrias têxteis de média e grande dimensão estão a recrutar trabalhadores vindos de países asiáticos como Nepal, Índia, Paquistão e Bangladesh para atenuar a falta de mão de obra nesse setor, que conta com cerca de seis mil empresas ativas e com 138 mil trabalhadores diretos, noticia o “Jornal de Negócios” esta segunda-feira, 12 de agosto. À falta de mão de obra acrescem os aumentos salariais que estão a levar mais confeções para o Norte de África.

“A solução ideal era haver mais portugueses que quisessem trabalhar. Não havendo, é trazermos pessoas do estrangeiro”, afirmou o presidente da Associação Têxtil e Vestuário de Portugal (ATP), citado pelo jornal da Cofina, Mário Jorge Machado.

Sem divulgar que empresas recrutam estes trabalhadores asiáticos, o dirigente disse que se trata de um “movimento recente” e não organizado. O principal problema identificado por Mário Jorge Machado é “o demorado e difícil processo de legalização” desses trabalhadores em Portugal.

Esta mão de obra recrutada nos países asiáticos são costureiros, operadores de máquinas e outras funções na tinturaria e acabamentos.

Ainda assim, o presidente ATP acredita que 2019 pode ser o 11º ano de crescimento das exportações do setor que representa.

Recomendadas

Telefónica analisa compra parcial da Oi, avaliada em 6 mil milhões

A Oi é detida em cerca de 5% pela Bratel da portuguesa Pharol, ex-PT SGPS, que por sua vez tem como acionista o Novo Banco com ​9,56%. E o BCP tem poder para vender os 9,99% da High Bridge por conta de uma dívida bancária não paga.

ASF aprova norma que estabelece qualificação adequada para vendedores de seguros

A ASF entende que o reforço da qualificação “em impacto na qualidade da prestação de serviços, na diminuição da conflitualidade e do número de reclamações, o que, por seu turno, acarreta consequências positivas em termos reputacionais e da imagem do setor”.

Portugal vai “perder 200 milhões de euros num ano” mas Altice não vai “estorvar” compra da TVI

O processo de compra da dona da TVI pela Altice, por 440 milhões de euros, caiu por terra em junho do ano passado, quando o grupo espanhol Prisa, dono da Media Capital, confirmou a desistência do negócio. Hoje Alexandre Fonseca voltou a criticar a Autoridade da Concorrência (AdC) por durante meses não se ter pronunciado sobre o negócio.
Comentários