Empresas têxteis portuguesas recrutam trabalhadores na Ásia

À falta de mão de obra acrescem os aumentos salariais que estão a levar mais confeções para o Norte de África.

Várias indústrias têxteis de média e grande dimensão estão a recrutar trabalhadores vindos de países asiáticos como Nepal, Índia, Paquistão e Bangladesh para atenuar a falta de mão de obra nesse setor, que conta com cerca de seis mil empresas ativas e com 138 mil trabalhadores diretos, noticia o “Jornal de Negócios” esta segunda-feira, 12 de agosto. À falta de mão de obra acrescem os aumentos salariais que estão a levar mais confeções para o Norte de África.

“A solução ideal era haver mais portugueses que quisessem trabalhar. Não havendo, é trazermos pessoas do estrangeiro”, afirmou o presidente da Associação Têxtil e Vestuário de Portugal (ATP), citado pelo jornal da Cofina, Mário Jorge Machado.

Sem divulgar que empresas recrutam estes trabalhadores asiáticos, o dirigente disse que se trata de um “movimento recente” e não organizado. O principal problema identificado por Mário Jorge Machado é “o demorado e difícil processo de legalização” desses trabalhadores em Portugal.

Esta mão de obra recrutada nos países asiáticos são costureiros, operadores de máquinas e outras funções na tinturaria e acabamentos.

Ainda assim, o presidente ATP acredita que 2019 pode ser o 11º ano de crescimento das exportações do setor que representa.

Recomendadas

Sócios de Paulo Fernandes reforçam na Altri. Ana Menéres reduz

O valor de venda foi de 5,8 euros por ação pelo que o reforço custou à Caderno Azul 5,8 milhões de euros e à 1 Thing Investments 14,5 milhões.
Supermercados

Associação das empresas de retalho vai apresentar estudo sobre ‘e-commerce’

O estudo da Deloitte pretende identificar as barreiras existentes em Portugal ao desenvolvimento do comércio digital.

Galpgate: Gestores da Galp vão a julgamento mas há arquivamento para políticos

Enquanto os gestores da Galp ainda podem ir a julgamento pelas ofertas de bilhetes e viagens ao Euro 2016, os políticos que auferiram dos mesmos vão ser o processo arquivado mediante o pagamento de uma multa, entre 650 euros e 4.800 euros, avança o Observador.
Comentários