Empresas vão poder adiar até junho pagamento de dois terços das contribuições sociais e impostos

Todas as empresas vão poder aceder às linhas de crédito de três mil milhões de euros anteriormente anunciadas, com a contrapartida de não poderem despedir funcionários. Empresas vão ter também até junho para pagar o IVA, IRC e IRS dos próximos três meses. Objetivo é assegurar a liquidez das empresas para enfrentarem crise provocada pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

António Pedro Santos / Lusa

O Governo anunciou esta sexta-feira que as empresas vão poder adiar “até ao segundo semestre” o pagamento de dois terços das contribuições para a Segurança Social. O primeiro-ministro, António Costa, disse que as empresas vão ter também até junho para pagar o IVA, IRC e IRS dos próximos três meses, de forma a assegurar a liquidez das empresas para enfrentarem a crise provocada pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

“O Governo decidiu adiar para segundo semestre o pagamento de dois terços das contribuições sociais e as entregas de IVA e IRS durante os próximos três meses de forma a que possam preservar os postos de trabalho”, informou António Costa, após a reunião em Conselho de Ministros para debater as medidas de apoio social e económico para a população afetada pela pandemia da Covid-19, que concretizam a execução do Estado de Emergência decretado pelo Presidente da República.

O líder do Executivo socialista disse que “seria irrealista apresentar programa de relançamento da economia neste momento”, tendo em conta que os próximos três meses vão ser, segundo António Costa, “muito duros”. “Trata-se de nos concentrarmos em salvar vidas na área da saúde, salvar empresas e rendimentos na área da economia”, sublinhou, dizendo que, em junho, será feito um novo balanço à situação socioeconómica do país.

Para apoiar as empresas e estimular a economia, o Governo vai possibilitar o acesso de todas as empresas a um conjunto de linhas de crédito de três mil milhões de euros, anunciadas anteriormente pelo Governo, “sob condição de manutenção de empregos”. Ou seja, as empresas ficam impossibilitadas de despedir funcionários para poderem ter acesso às verbas disponibilizadas pelo Estado.

António Costa acredita que, dentro de três meses, as empresas poderão “encarar o futuro com outra determinação”, tendo em conta que as autoridades de saúde preveem que “o pico em meados de abril e prolongar-se-á até meados do mês de maio”, estando previsto um “fortíssimo impacto na economia”.

O adiamento do prazo para o pagamento das contribuições sociais, bem como do IVA e IRS, faz parte do segundo pacote de medidas aprovadas pelo Governo para os 15 dias em que vai vigorar o Estado de Emergência nacional. Entre as medidas anteriormente tomadas destaca-se o dever de “recolhimento domiciliário” para a generalidade dos portugueses, o “dever especial de proteção” para as pessoas “com mais de 70 anos ou com morbilidades” e o isolamento obrigatório para os infetados com Covid-19 ou que estão sob vigilância ativa.

O Governo decidiu ainda que as padarias, mercearias, supermercados, farmácias, quiosques e bombas de gasolina ficam abertas durante o Estado de Emergência. Já os restaurantes “devem ser encerrados”, mas podem-se manter abertos para prestar serviços de take away (recolha na loja) para “prestar atendimento domiciliário”.

As medidas do Estado de Emergência vão entrar em vigor à meia noite de sábado para domingo.

Ler mais
Relacionadas

Senhorios impedidos de cancelar contratos de arrendamento durante três meses

O anúncio foi feito após o Conselho de Ministros onde o Governo aprovou mais medidas de apoio social e económico para mitigar os impactos negativos para as famílias e empresas. Com esta medida, o Governo pretende travar a “ansiedade pela procura de casa”.

Inspeções automóveis vão ser adiadas durante dois meses

Os veículos a motor e seus reboques, ligeiros ou pesados, que teriam que se apresentar num centro de inspeções entre 13 de março e 31 de maio de 2020, vão ter direito a um adiamento de dois meses do prazo da inspeção a contar da data da matrícula.

Subsídio de desemprego e complemento solidário para idosos vão ser renovados automaticamente durante crise da Covid-19

A medida consta no segundo pacote de medidas aprovadas em Conselho de Ministros para mitigar os impactos negativos da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) e garantir o rendimento das famílias durante a crise.

Primeiro-ministro admite que Estado de Emergência pode vir a ser renovado

“Sejamos francos, não será daqui a 15 dias que desaparecem as razões” pelas quais foi declarado este estado, a epidemia do coronavírus, disse António Costa.
Recomendadas

TAP propõe acordo com tripulantes para vigorar até final de 2024

O acordo, segundo o qual “as medidas acordadas referentes a retribuições e outras prestações pecuniárias, retributivas ou não, produzem efeitos a 1 de janeiro de 2021”, estabelece a suspensão “das tabelas salariais e remuneratórias em vigor à data da entrada em vigor deste acordo, incluindo as constantes de normativo específico de cada função e/ou de acordos individuais”.

Turismo do Centro apresenta novas iniciativas para as Rotas das Invasões Francesas

O destaque vai para a apresentação das rotas turísticas relativas à Terceira Invasão Francesa, que teve início em julho de 1810 e terminou em abril de 1811. No território nacional, a invasão iniciou-se em Almeida e continuou para o Bussaco, onde teve lugar uma importante batalha, tendo terminado nas Linhas de Torres Vedras, de onde os franceses retiraram em perda.

Pilotos do porto de Aveiro resgatam navio da ETE

Depois de ativados os procedimentos de segurança, os serviços técnicos de pilotagem do porto de Aveiro em colaboração com os rebocadores e em articulação com a Capitania, “a operação do salvamento do navio e tripulação foi realizada com sucesso, encontrando-se o navio atracado em segurança”.
Comentários