Endesa vai analisar a compra de barragens da EDP

“Vamos analisar o plano de desinvestimentos da EDP à procura de eventuais ativos de produção [elétrica], como hidroelétricas em Portugal, que se podem encaixar na nossa posição estratégica”, disse o presidente executivo da Endesa, José Bogas, numa reunião com analistas durante a apresentação dos resultados trimestrais.

A Endesa vai analisar a compra de ativos da EDP, nomeadamente centrais hidroelétricas, indicou hoje energética espanhola, que tem atividade de produção e comercialização de energia em Portugal, à margem da apresentação dos seus resultados trimestrais.

“Vamos analisar o plano de desinvestimentos da EDP à procura de eventuais ativos de produção [elétrica], como hidroelétricas em Portugal, que se podem encaixar na nossa posição estratégica”, disse o presidente executivo da Endesa, José Bogas, numa reunião com analistas durante a apresentação dos resultados trimestrais.

José Bogas considerou que as centrais hidroelétricas da EDP, em Portugal, podem “encaixar estrategicamente” nos planos da Endesa: “Já estamos expostos a este mercado que está integrado com o mercado espanhol”.

O presidente executivo da energética acrescentou que a Endesa está “mais interessado” em ativos de distribuição e renováveis, descartando completamente a compra de centrais de ciclo combinado.

A EDP pretende vender ativos no valor de 2.000 milhões de euros nos dois países ibéricos nos próximos anos, segundo o plano estratégico da empresa portuguesa.

A Endesa é o maior operador de centrais de energia nuclear em Espanha e as declarações do executivo máximo da empresa estarão relacionadas com o acordo promovido pelo Governo espanhol sobre o encerramento escalonado de todas as centrais nucleares espanholas entre 2027 e 2035, o que terá um impacto direto negativo nas contas da elétrica.

A empresa anunciou hoje lucros de 363 milhões de euros durante o primeiro trimestre de 2019, menos 2,4% do que no mesmo período do ano passado.

Segundo a informação que enviou ao mercado, esta evolução foi influenciada pela diminuição da procura de eletricidade, devido às altas temperaturas e a desaceleração económica no consumo das grandes empresas.

A Endesa é uma das três empresas líderes no setor elétrico em Espanha, conjuntamente com a Gas Natural e a Iberdrola.

Ler mais
Relacionadas

Mexia vai ao Parlamento esclarecer contradições sobre barragem do Fridão

O requerimento para ouvir António Mexia foi apresentado pelo Partido Social Democrata (PSD), depois de as declarações da EDP terem vindo contradizer as justificações apresentadas pelo Governo para o cancelamento da barragem do Fridão, no rio Tâmega.

Barragem do Paul da Serra vai aumentar de 30 para 40% produção de energia renovável, diz Susana Prada

Esta segunda-feira comemora-se o Dia Mundial da Terra, e, neste sentido, a Secretaria Regional do Ambiente e Recursos Naturais organizou um roteiro para os jovens com o objetivo de mostrar, explicar e sensibilizar para as alterações climáticas.

Mexia diz que EDP vai investir 12 mil milhões nos próximos quatro anos

Questionado pelo entrevistador Vítor Gonçalves, se não viu alguma vez que podia ser suspeito o pagamento à Universidade que contratou Manuel Pinho, ex-ministro da economia, para ser lá professor, António Mexia, lá admitiu que “hoje não o faria, sabendo a falsa percepção que se criou”.
Recomendadas

PremiumRangel Pharma vai investir mais 12 milhões de euros

Após dez anos de atividade na logística farmacêutica, Nuno Rangel, CEO do Grupo Rangel, revela um plano de investimentos a cinco anos para quase duplicar a área de armazenagem e criar mais 130 empregos em Portugal.

PremiumCEO da Unicre: “Depois do Porto, estamos em conversas para pagamento ‘contactless’ nos transportes em Lisboa”

Pioneira nos cartões de crédito em Portugal, a Unicre lança um ‘rebranding’ para salientar a base digital, atrair clientes jovens e abrir portas a mercados internacionais, revela o presidente da empresa, João Baptista Leite.

PremiumTesla tem bateria de sobra para dar mais energia às ações

Em 2020, os títulos da Tesla já valorizaram mais 36%. Ao Jornal Económico, o banco de investimento Jefferies explica que a elétrica de Elon Musk tem muito mais para dar para além dos carros.
Comentários