Endividamento das empresas agravou 400 milhões de euros em agosto por causa do sector público

Dos 724 mil milhões de euros de dívida registada em agosto, 319,8 mil milhões de euros têm no setor público e 404,2 mil milhões de euros no setor privado, de acordo com uma nota de informação estatística do Banco de Portugal.

O endividamento das empresas portuguesas fixou-se nos 724 mil milhões de euros em agosto, o que correspondem a um agravamento de 400 milhões de euros face ao mês de julho, dá conta o Banco de Portugal esta segunda-feira, 21 de outubro. Dos 724 mil milhões de euros de dívida registada, 319,8 mil milhões de euros têm no setor público e 404,2 mil milhões de euros no setor privado.

“O endividamento do setor não financeiro [empresas] aumentou 400 milhões de euros, devido ao aumento do endividamento do setor público, já que o endividamento do setor privado manteve-se o valor idêntico”, lê-se na nota de informação estatística do BdP.

Dos 724 mil milhões de euros de dívida registada, 319,8 mil milhões de euros têm no setor público e 404,2 mil milhões de euros no setor privado.

O regulador da banca faz saber que o aumento do endividamento do setor público, deveu-se, sobretudo, ao “incremento do endividamento face ao exterior, parcialmente compensado pela diminuição do endividamento face às próprias administrações públicas, às empresas e à banca”.

No privado, registou-se um recuo de 200 milhões de euros no endividamento das empresas, mas que foi compensado pelo aumento do endividamento de 200 milhões dos particulares face ao mesmo setor.

Recomendadas

Deutsche Bank multado em mais de 130 milhões de euros após Epstein usar contas do banco para silenciar vítimas

De acordo com o “The New York Times”, o Deutsche Bank não fez “muitas perguntas” a Epstein para o ter como cliente. Nem mesmo quando foi observada a retirada de 100 mil dólares (88,6 mil euros) das contas do falecido multimilionário para “gorjetas e despesas domésticas”.

“Aquisições devem aportar valor para os acionistas”. CEO do Deutsche Bank trava expectativas sobre compra de negócios da Wirecard

Christian Sewing, CEO do banco alemão, revelou que a “a tecnologia de pagamentos é interessante para o Deutsche Bank, que é um dos bancos líderes no serviço de pagamentos em todo o mundo”, mas alertou que qualquer aquisição “deve sempre aportar valor para os acionistas.

Mediadora de seguros contrata 100 pessoas em plena crise de pandemia

“O aconselhamento em seguros, considerando a pandemia que assolou Portugal, é agora mais importante do que nunca e a Certezza pretende expandir a sua rede de agentes no mercado português”, destaca a mediadora. Para atingir esse objetivo, a Certezza promete pagar valores acima da média do mercado de modo a contratar os melhores recursos e investir na formação.
Comentários