Energia e desenvolvimento sustentável

As melhores soluções, quer do ponto de vista tecnológico, quer social e económico, devem ser as que se venham a impor por mérito próprio e não por decisões políticas.

O acesso a fontes de energia é uma condição indispensável para o progresso da economia e o bem-estar das populações. Por isso capta a atenção de muitos, desde os países desenvolvidos, onde a consideram como algo adquirido e inesgotável, até aos mais pobres, onde se aspira a poder ter acesso a fontes que permitam a satisfação de necessidades básicas.

Sabemos também hoje que a sua utilização maciça, que cresceu exponencialmente com a revolução industrial, acarreta problemas que é necessário resolver. Estão entre eles o impacto no clima, devido à emissão de gases com efeito de estufa, a qualidade do ar que respiramos, particularmente nos centros urbanos, a delapidação dos recursos naturais e a criação de resíduos que podem ter elevada perigosidade.

Antes de nos debruçarmos sobre as soluções para essas questões talvez devamos elencar as verdadeiras razões, umas boas e outras más, que estão por trás dos impactos negativos acima referidos.

Falemos das “boas” em primeiro lugar: o crescimento da população por via da melhoria da qualidade e duração da vida humana, o acesso crescente das populações dos países menos desenvolvidos a bens e serviços a que outrora só os países ricos conseguiam disponibilizar. Mas também há as más: a utilização ineficiente dos recursos que temos à disposição, desde a sua extração da natureza até à utilização final; mas também a falta de preocupação com os efeitos secundários dessas atividades.

Muitas vezes, quando queremos falar em soluções, temos tendência para achar que vamos conseguir mudar tudo num curto espaço de tempo e que as tecnologias emergentes, ou mesmo já maduras, são facilmente replicáveis.

Mas a realidade mostra-nos que devemos ter uma aproximação racional a estes fenómenos, incentivar a Investigação e Desenvolvimento e deixar que as melhores soluções quer do ponto de vista tecnológico, quer social e económico sejam as que se venham a impor por mérito próprio, e não por decisões políticas que correm o risco de escolher os vencedores errados, com todas as consequências que isso acarreta.

A utilização racional das fontes de energia tradicionais, potenciadas pela melhoria da eficiência ao longo de toda a cadeia de valor, com particular ênfase na utilização final, acompanhada de uma crescente penetração de novas fontes, de forma racional e sem sacrificar desnecessariamente o binómio custo-eficiência, permitirá continuar a alimentar as necessidades crescentes, reduzindo a intensidade energética da economia, eliminando desperdícios e reduzindo drasticamente os impactos negativos que o desenvolvimento económico acarretou.

Não há deuses nem demónios nestas matérias, há sim a necessidade de todos se consciencializarem que vivemos num espaço limitado, com recursos finitos e que devemos preservá-lo para as gerações vindouras. Esse é o desafio a que todos teremos que responder de forma determinada e inteligente, procurando em cada situação a solução que melhor se adeque a esses desafios.

Recomendadas

Quem regula as redes?

Precisamos de um enquadramento jurídico adequado à realidade das redes sociais, que proteja a liberdade de expressão e que defina claramente quais as situações em que esta pode ser limitada, partindo do princípio de que tais limitações só poderão ter lugar em circunstâncias extraordinárias, dentro das regras do estado de direito e sujeitas às decisões dos tribunais.

O PR que, no fundo, quer ser PM

Durante esta campanha eleitoral, Marcelo demonstrou por duas vezes que não vive bem com os limitados poderes que o nosso sistema semipresidencialista confere ao cargo que ocupa.

Uma campanha triste

À exceção de Marcelo Rebelo de Sousa, a política portuguesa confirma-se completamente refém dos partidos e dos seus líderes.
Comentários