“Enfermeiros nas equipas de saúde pública estão exaustos”, diz sindicato

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) alerta que desde o início da pandemia que os enfermeiros do setor integrados nas equipas de saúde pública trabalham, na sua maioria, 7 dias por semana, 10 horas por dia, sem terem a possibilidade de gozar feriados, tolerâncias e até os dias de descanso e folga previstos na legislação. SEP reclama ao governo a admissão e mobilização de enfermeiros especialistas de saúde comunitária.

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) denuncia que “desde março (início da pandemia), que os enfermeiros integrados nas equipas de saúde pública trabalham, na sua maioria, 7 dias por semana, 10 horas por dia, sem terem a possibilidade de gozar feriados, tolerâncias e até os dias de descanso e folga previstos na legislação”. E pede ao governo a admissão e mobilização de Enfermeiros Especialistas de Saúde Comunitária para estas unidades que desenvolvem os contactos com os cidadãos sobre vigilância activa – doentes Covid – e os em isolamento profiláctico (suspeitos).

Segundo o SEP, a estas unidades estão alocados apenas um terço dos enfermeiros necessários e se nada for feito, espera-se “um agravamento do cenário”.

“Relembramos que é da responsabilidade destes profissionais, desenvolverem todos os contactos com os cidadãos sobre vigilância activa – doentes Covid – e os em isolamento profiláctico (suspeitos). Para além disso, são também responsáveis, conjuntamente com outros profissionais, por desencadearem as visitas/auditorias a equipamentos de saúde de natureza variada, intervir nas situações desportivas que entretanto, aconteçam, etc”, realçou o SEP nesta quinta-feira, 24 de setembro.

Para este sindicato “é absolutamente necessário o reforço das equipas, preferencialmente reforçando-as com enfermeiros especialistas em saúde pública, cumprindo, assim, a legislação que determina que enfermeiros com estas competências deverão ser alocados a estas unidades”.

O aumento do número de casos nos últimos dias, acrescenta em comunicado, e a previsão do “aumento exponencial nos próximos tempos, associado à abertura das escolas, aos eventos desportivos, etc., deverá determinar por parte do governo a admissão de enfermeiros e à mobilização de enfermeiros especialistas de saúde comunitária para estas unidades”.

Recomendadas

Governo vai ter de responder a providência cautelar do Chega contra restrições à circulação sem estado de emergência

Supremo Tribunal Administrativo dá 24 horas ao Conselho de Ministros para se pronunciar sobre alegação de inconstitucionalidade da resolução que proíbe deslocações entre concelhos das 00h00 de sábado até às 06h00 da próxima terça-feira.

Covid-19: Antiviral remdesivir já rendeu à fabricante 766 milhões de euros

Devido às vendas do remdesivir, inicialmente desenvolvido em vão contra a febre hemorrágica do Ébola, o grupo viu o seu volume de negócios trimestral aumentar 17%, para 6,58 mil milhões de dólares.

Marta Temido: “Quem vota contra quer outro modelo ou desistiu de melhorar o SNS”

Numa intervenção em plenário no segundo dia de debate da proposta de Orçamento do Estado para 2021 na generalidade, na Assembleia da República, Marta Temido defendeu que no atual contexto de pandemia de covid-19 “o Serviço Nacional de Saúde (SNS) demonstrou resiliência e continuará a fazê-lo com novas respostas”.
Comentários