PremiumEnfermeiros só vão receber em maio pagamento do horário acrescido

Limite de 42 horas semanais visa reforçar luta contra a Covid-19 e terá em conta necessidades e verbas orçamentais disponíveis.

O horário acrescido de 42 horas para os enfermeiros, destinado a reforçar a luta contra a Covid-19 e que previa um acréscimo salarial de 37% da remuneração base desses profissionais, entrou em vigor a 1 de março, mas só será pago em maio. Resultante de um acordo coletivo de trabalho (ACT), assinado a 5 de fevereiro entre o Serviço Regional de Saúde (SESARAM), a vice-presidência do Governo da Madeira, a Secretaria Regional da Saúde e Proteção Civil, a Associação Sindical Portuguesa dos Enfermeiros (ASPE), o Sindicato dos Enfermeiros da Região Autónoma da Madeira (SERAM) e o Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal (SINDEPOR), esse compromisso está a ser considerado cumprido pelas três organizações que o subscreveram, mas desagrada ao Sindicato dos Enfermeiros (SE), que ficou de fora.

A delegada sindical do Sindicato dos Enfermeiros (SE), Márcia Ornelas, crtica que o pagamento referente ao horário acrescido de 42 horas não se tenha refletido já na folha salarial de março. E garante que esta situação tem gerado um “sentimento de injustiça” junto dos enfermeiros, pois a compensação salarial possivelmente “só terá reflexos” em maio.

Tal visão não é partilhada pelo SINDEPOR e pelo SERAM, que subscreveram o acordo. Os seus representantes dizem que até agora o SESARAM “está a cumprir”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor. Edição do Económico Madeira de 1 de abril.

Recomendadas

Rede Nacional de Expressos reforça ligações em todo o território nacional

Os responsáveis da empresa criticam o facto de Portugal ser atualmente “o único país da União Europeia com este constrangimento de dois terços da lotação do transporte rodoviário, divergindo dos procedimentos europeus e criando dificuldades logísticas e financeiras ao nível do transporte nacional e internacional”.

Regulador europeu reconhece ligação entre vacina da Johnson & Johnson e formação de coágulos sanguíneos

A Agência Europeia do Medicamento concluiu que há uma possível relação entre a formação de coágulos sanguíneos e a administração da vacina da Janssen. Ainda assim, o regulador frisa que os benefícios são superiores aos riscos e que os casos reportados são “muito raros”.

França é o primeiro país da UE a avançar com testes ao certificado digital de vacinação

Caso os ensaios corram bem, o sistema poderá ser adotado para permitir a entrada em eventos ao ar livre, nomeadamente, concertos, festivais e até feiras. Bruxelas espera ter o documento disponível para toda a Europa partir de 21 de junho.
Comentários