“Engenheiras Por Um Dia” contra a segregação das profissões em razão do sexo

Está a decorrer a segunda edição desta iniciativa que visa promover as áreas da engenharia e da tecnologia junto das jovens que frequentam o terceiro ciclo do ensino básico e o ensino secundário. Projeto envolve 27 escolas e cerca de três mil alunas de todo o país. Amanhã realiza-se a última sessão em Lisboa.

O objetivo é promover as áreas da engenharia e da tecnologia junto das jovens que frequentam o terceiro ciclo do ensino e básico e o ensino secundário. Sob o mote “Engenheiras Por Um Dia“, o projeto “leva às escolas e alunas desafios práticos” dessas áreas, visando “prevenir e combater a intensificação da segregação das profissões em razão do sexo”. Está a decorrer a segunda edição desta iniciativa que envolve 27 escolas e cerca de três mil alunas de todo o país. Amanhã realiza-se a última sessão em Lisboa.

“Vai ser a segunda sessão de encerramento desta edição e vai decorrer no Pavilhão do Casal Vistoso, em Lisboa, pelas 10h da manha. A primeira sessão de encerramento decorreu ontem em Guimarães, tendo envolvido mais de 500 jovens em 40 laboratórios e workshops de robótica, computação, realidade virtual, eletrónica e outras áreas relacionadas com as engenharias e a tecnologia”, informa a Secretaria de Estado para a Cidadania e a Igualdade, através de um comunicado.

“O mesmo modelo vai ser seguido nesta segunda sessão de encerramento e as 40 atividades vão ser dinamizadas por algumas das entidades parceiras, tais como: Instituto Superior Técnico, Universidade Atlântica, Universidade Nova de Lisboa, Altice, Altran, IBM, Microsoft, Vodafone e Ordem dos Engenheiros. A secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade, Rosa Monteiro, vai participar neste dia dedicado ao combate da segregação sexual das profissões tecnológicas”, acrescenta.

“Engenheiras Por Um Dia” é uma iniciativa que “procura combater a segregação das escolhas e ocupações profissionais em razão do sexo e, em especial, a reduzida presença das mulheres nas áreas de engenharias e tecnologias”. De acordo com o comunicado, “o projeto dirige-se a jovens que frequentam o terceiro ciclo do ensino básico e o ensino secundário, envolvendo uma rede de parcerias que incluiu 27 escolas e 11 estabelecimentos de ensino superior de todo o país, 25 empresas e outras entidades”.

Entre as atividades promovidas junto das escolas destacam-se as sessões de role model e mentoria, visitas de estudo às empresas e desafios de engenharias promovidos pelas entidades e alunas do ensino superior. Nesta segunda edição do projeto foram envolvidas cerca de três mil alunas de todo o país.

Recomendadas

PremiumPresidente da ATP disponível para novas fusões que unifiquem o setor

Mário Jorge Machado diz que consolidar o associativismo nos têxteis até unir todos os empresários seria benéfico para o setor. Frente internacional é outra prioridade do líder da Associação Têxtil e do Vestuário de Portugal.

Premium70 anos da Santini. Como a teoria do Big Bang se pode aplicar aos gelados artesanais

Desde o avô Attilio, desde a Cortina d’Ampezzo, a história da mais famosa gelataria portuguesa está a comemorar a partir desta semana o seu 70.º aniversário e já vai para a quarta geração dentro da família. O grande salto de expansão da cadeia foi dado, há cerca de 12 anos, com a parceria com a família Botton. Os novos desafios passam por mais lojas em Lisboa, Porto e Algarve, bem como a entrada nos mercados internacionais.

Mais de mil empresas brasileiras recebem apoio para negócios no exterior

A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) e a Confederação Nacional da Indústria querem acelerar a internacionalização nas firmas locais.
Comentários