Ennes Ferreira: Angola de Lourenço está a repetir os erros de Angola de Eduardo dos Santos

 Os economistas Manuel Ennes Ferreira e Alves da Rocha apresentam na quarta-feira um livro sobre Angola com a mensagem central de que o país está a repetir os erros cometidos entre 2012 e 2017.

“A mensagem central é que de tudo aquilo que é dito há sempre uma esperança de que as coisas possam ser alteradas relativamente ao que se foi passando, mas o que é desesperante concluir é que desde 2012 até à atualidade há uma repetição das mesmas questões fundamentais e que, particularmente na legislatura de 2012 a 2017, não houve praticamente quaisquer alterações, isso é terrível, estar a bater nas mesmas teclas, reconhecendo os problemas, identificando-as, e ser como estar a mandar à barro à parede sem se ligar nada”, disse Manuel Ennes Ferreira.

Falando à Lusa na véspera da apresentação, em Lisboa, do livro em coautoria com Alves da Rocha, com o título ‘Angola – Dois Olhares Cruzados’, Ennes Ferreira salienta que “é desesperante e frustrante ler as crónicas e ter uma sensação de ‘deja vu'” e aponta que os mesmos temas “aparecem em 2012, em 2015 e em 2018 e isso não é nada bom”.

O livro reúne as crónicas dos dois economistas, publicadas em Portugal pelo Semanário Económico e pelo Expresso, e em Angola pelo Expansão, e na apresentação afirma-se que “como a História só é compreendida pela análise do encadeamento dos factos no tempo, selecionámos textos que cobrem o período perdido do desenvolvimento económico e social da anterior legislatura (2012-2017) e que desembocam na atual legislatura”.

Segundo o economista luso-angolano, “para compreender o que se hoje se passa, porque os problemas permanecem, era bom verificar o que se passou ao longo dos últimos anos”, e foi assim que surgiu a ideia do livro que será apresentado na quarta-feira.

“Não é preciso ser economista para ler o livro, percebe-se que há um desejo imenso de tentar identificar pontos que necessariamente têm de ser alterados para o país ir a algum lado, e por isso ninguém nos pode atacar de ser um documento panfletário ou de bota-abaixo, é sustentado e as considerações que lá são feitas são chamadas de atenção, às vezes com alguma mágoa que transparece na própria leitura e o texto fica mais duro, mas a ideia foi sempre contribuir para que se pudesse alterar alguma coisa”, garante o coautor do livro.

Questionado sobre se, desde 2017 até hoje, houve uma mudança real em Angola, Ennes Ferreira respondeu que a alteração prende-se mais com a retórica e o enquadramento do que propriamente com mudanças concretas.

“Mais no plano da retórica, como antes se dizia, iam fazer isto e aquilo, mas as coisas continuam a ter um grau desesperante de repetição, e é a diversificação, e é isto e aquilo, mas depois as medidas de política económica e toda aquela articulação que deverá levar o país para um caminho que se espera seja de benefício para a população, a sensação é muito frustrante, parece a repetição numa nova legislatura com um novo quadro, e isso dói, como é evidente”, concluiu.

Ler mais
Recomendadas

Coronavírus: Embaixada de Portugal em Pequim prepara-se para retirar cidadãos portugueses

Portugal não é exemplo único na Europa já que também países como Espanha e França estão em contacto com as autoridades chinesas a discutir as possíveis soluções para transportar os seus cidadãos aos respetivos países de origem.

Ativista tunisina Lina Ben Mhenni e figura da revolução morreu aos 36 anos

Após a queda de Ben Ali em janeiro de 2011, o nome da jornalista, bloguista e “ciberdissidente”, chegou a ser aventado para o Nobel da Paz no final desse ano.

Português que lidera a Kraft-Heinz promete “simplificar o negócio”

Kraft-Heinz tem passado dificuldades numa altura em que, no setor, há uma maior procura por produtos mais saudáveis. Miguel Patrício chegou à empresa há sete meses para inverter a tendência.
Comentários