PremiumTurismo de Portugal: Enoturismo e literatura vão ser as novas apostas

Segmentos ligados aos mundos dos vinhos e da literatura foram escolhidos pelo Turismo de Portugal para atrair ainda mais visitantes ao país.

‘Portuguese Wine Tourism’ e ‘Portuguese Books’ são os nomes das duas novas iniciativas do Turismo de Portugal para atrair ao nosso país mais e novos turistas nos próximos anos, a exemplo de outras iniciativas já em curso, como os ‘Caminhos de Santiago’ ou ‘Caminhos de Fátima’, no segmento do turismo religioso, disponíveis no site Portuguese Trails; ou nos projetos mais segmentados, como o mais recente ‘Turismo Militar’, as ‘Aldeias de Xisto’, ‘Montanhas Mágicas’ ou os projetos em torno da EN2, a que o primeiro-ministro António Costa, em pré-campanha eleitoral, deu grande visibilidade nesta semana.

“Este tipo de iniciativas também ajuda ao posicionamento de Portugal como destino turístico diversificado. O papel de todas estas iniciativas é promover o país como um todo, captar turistas ao longo de todo o ano e tentar com que fiquem o máximo de tempo possível. Há outra preocupação que é demonstrar ao turista que o país está preparado e preocupado para responder às questões e aos desafios da sustentabilidade, ao respeito pelo mar e pelos recursos naturais”, sublinha Luís Araújo, revelando que “este ano decidimos lançar dois produtos novos: o primeiro é o ‘Portuguese Wine Tourism’, dedicado ao setor nacional do enoturismo”.

Artigo publicado na edição semanal de 30 de agosto de 2019, do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Setor de comércio e serviços pede prolongamento do layoff e perdão de rendas

A CCP também aponta que a exigência de certidões de não dívida não faz sentido neste momento em que as empresas enfrentam dificuldades, defendendo que deixe de constituir condição para a “candidatura a qualquer concurso público”.

CFP alerta para impacto “desconhecido” no capital do Novo Banco da litigância com o Fundo de Resolução

No relatório “Perspetivas económicas e orçamentais 2020-2022”, o CFP diz que “existe um risco adicional para as finanças públicas caso o rácio de capital total do Novo Banco se situe abaixo do requisito estabelecido pelas autoridades de supervisão”. Nesta situação, o Estado Português poderá ter de disponibilizar fundos adicionais de forma a que o banco cumpra os requisitos regulatórios. É a chamada Capital Backstop que foi autorizada por Bruxelas para casos “extremos”. O CFP alerta para incógnita sobre o impacto no capital do banco do diferendo na contabilização das IFRS 9.

Extensão das moratórias até 31 de março de 2021 vai hoje a Conselho de Ministros

Proposta das Finanças prevê extensão das moratórias públicas até março de 2021 e o alargar os créditos que poderão beneficiar do regime, como créditos para segunda casa e crédito ao consumo para financiar educação.
Comentários