“Ensinar ainda é uma função social” mesmo na era digital

E nada indica que vá deixar de o ser: a tecnologia deve ser encarada como uma ferramenta e não como uma solução milagrosa para resolver o problema do ensino, seja em que parte do mundo for.

Apesar de todas as promessas e de alguns sonhos, o ensino na era digital ainda é, na essência, o mesmo de sempre: “ensinar ainda é uma função social” e nada pode substituir “o face-a-face, os movimentos, as expressões”. A opinião é de Nuno Crato, antigo ministro da Educação do PSD, que intervinha na 6ª Edição do Economia Viva da Nova SBE.

Organizado pela Nova Economics Club e pela Associação de Estudantes da Nova SBE, com o aval institucional da Nova School of Business and Economics e em colaboração com a Comissão Europeia, o tema em debate esta terça-feira era ‘O ensino na era digital’.

Partindo do princípio que a educação é fundamental para o desenvolvimento económico e para a construção de uma sociedade mais justa e informada, o debate pretendia aferir sobre se a adaptação à nova realidade, utilizando métodos de e-learning de forma a garantir a continuidade da aprendizagem dos estudantes, é uma alternativa eficaz.

Vale a pena arriscar que a resposta geral é ‘não’. Com a presença de Nuno Crato, Maria Emília Santos (presidente do Conselho Nacional de Educação), Carlos Oliveira (presidente executivo da Fundação José Neves – Farfetch) e Ana Balcão Reis (economista na Nova SBE Economics of Education Knowledge Center).

Nuno Crato – que enfatizou que a ‘morte’ dos professores, profetizada para um tempo algures no início do milénio, não se verificou de todo – disse que o digital deve ser observado como um apetrecho para o ensino – que por muito que seja usado não vai substituir os ‘skills’ tradicionais do contacto direto.

Maria Emília Santos secundou o antigo ministro da Educação nas suas preocupações em relação ao digital e ao seu cruzamento com o ensino. E recordou que, por um lado, se verifica que um número não despiciendo de professores tem dificuldade em lidar com o digital – o que provoca embaraços com os próprios alunos, que ‘nasceram’ no digital; e, por outro, o digital impõe uma nova divisão entre as famílias que podem e as que não podem financiar bons equipamentos e aprendizagens para os usar.

Mais próximo do digital, ou não tivesse sido secretário de Estado do Empreendedorismo, Competitividade e Inovação, Carlos Oliveira, preferiu afirmar que as empresas portuguesas não estão a fazer o necessário esforço para aproximar a população do digital. Mesmo que, disse, “a tecnologia não seja a solução mas apenas uma ferramenta” que deve ser colocada à disposição de todos de forma equilibrada e equitativa.

Ana Balcão Reis disse, por seu turno, que os estudos parecem apontar para que o uso de tecnologia no ensino tem um impacto moderado, ou mesmo muito moderado, no processo de ensino. Mas, como disse, são os detalhes que podem ser importantes: se a tecnologia for bem usada, os resultados acabarão por surgir. “Não acho que a tecnologia resolva tudo, mas pode ser usava para promover o ensino”, concluiu.

‘As cidades verdes do futuro’, ‘Competir num mundo global’ e ‘A presidência portuguesa e o Plano de Recuperação e Resiliência’ serão os temas em debate nos próximos três dias, sempre a partir das 18h00.

Ler mais
Recomendadas
Mesa redonda seguros 2021

Desafios do sector segurador vão estar em debate na JE TV

As mesas redondas sobre como os seguros se preparam para a retoma económica e como enfrentam os desafios criados pelas novas tecnologias podem ser vistos em www.jornaleconomico.pt, a partir das 15:00, e contam com a participação de 14 gestores da indústria.

CAP vê no ‘Green Deal’ um “documento de marketing da Comissão Europeia”

A última conferência do ciclo para a concretização de uma visão estratégica para o agroalimentar em Portugal realiza-se esta quarta-feira, com a participação de Luís Mira, secretário-geral da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP), Hector Lujan, presidente e CEO da Reiter Affiliated Companies e Ana Trigo Morais, CEO da Sociedade Ponto Verde, entre outros.

Alqueva: água tem sido utilizada de forma eficiente e ainda está longe de esgotar o seu potencial

Numa apresentação feita durante a conferência, que tinha como tema o “Pacto Ecológico Europeu, do Prado ao Prato” e foi transmitida pela plataforma multimédia da JE TV, o presidente da EDIA, José Pedro Salema enumerou medidas que têm sido seguidas para assegurar uma agricultura sustentável, no quadro do Alqueva, e otimizar recursos.
Comentários