Entrou em desacordo com o Fisco? Quatro opções para resolver o conflito

A quem não consegue resolver um eventual conflito com o Fisco, restam duas opções: o tribunal ou o centro de arbitragem. O primeiro é conhecido pelos custos e elevado tempo de espera. O segundo, quase sempre mais rápido, não admite recurso e não é mais barato.

1. Reclamação graciosa:

É gratuita. Pode ser acionada ao balcão do serviço de Finanças ou através do respetivo portal, na internet. O caso é analisado pelo chefe de serviço e a resposta chega em quatro meses. Se não houver resposta, significa que o pedido não foi aceite. A lei prevê-o quando uma pessoa submete a mesma questão com intervalos inferiores a dois anos. Em 2017, os contribuintes apresentaram 43.700 reclamações, em mais de metade dos casos, com razão. Se não virem a sua pretensão atendida, podem pedir o recurso hierárquico.

2. Recurso hierárquico:

O pedido de reanálise do processo é gratuito, dirigido ao Ministro das Finanças e feito preferencialmente num balcão das Finanças. No ano passado, deram entrada 3 mil recursos. Em 21% dos casos, foi dada razão ao contribuinte. A resposta chega, no máximo, em 60 dias.

3. Tribunal fiscal:

Requer tempo e dinheiro. Dar entrada ao processo custa, no mínimo, 102 euros. O preço sobe de acordo com o valor da causa. Só os processos urgentes são resolvidos em poucos meses. A maioria demora anos. Além dos processos de reclamações contra o Fisco (impugnações), os tribunais julgam os casos relacionados com penhoras (execuções fiscais). No último ano, os contribuintes venceram, em tribunal, 30% dos processos relacionados com execuções fiscais e 44% das impugnações.

4. Centro de arbitragem tributária:

Surgiu em 2011. É de adesão voluntária para o contribuinte e obrigatória para a Autoridade Tributária. Os casos são julgados por um árbitro ou por um coletivo de três árbitros. Cada arbitragem custa, no mínimo, 306 euros, mas o preço sobe em função do valor da causa. Em média, as decisões são emitidas em quatro meses.

Ler mais
Recomendadas

Mesmo sem Via CTT, reembolsos do IVA e IRC não serão suspensos

Os contribuintes que tenham direito ao reembolso do IRC ou do IVA, mas que não tenham aderido ao Via CTT, receberão os reembolsos devidos mesmos que sem a situação regularizada, esclarece um despacho normativo hoje publicado em Diário da República.

CGD baixa taxa mínima do spread para 1,23%. É o sexto banco a baixar custo do crédito à habitação

Em quatro meses, desde janeiro, seis bancos já reviram em baixa o spread mínimo cobrado aos clientes. O último a fazê-lo foi a CGD, depois do EuroBic, do BPI, do Crédito Agrícola, do Santander Totta e do Montepio.

Segurança Social: A partir de hoje já pode pagar online dívidas em prestações

O pedido para pagar dívidas, que se encontrem em execução civil, em prestações à Segurança Social já pode ser feito online. A nova funcionalidade, através da Segurança Social Direta, está disponível a partir desta quinta-feira, 18 de abril.
Comentários