Equivocidade

O desafio da obtenção de informação foi claramente substituído pelo da capacidade para selecionar, filtrar e analisar a informação disponível, principalmente, para conseguir detetar-se as formas de manipulação informacional características das ações de desinformação.

Nunca foi fácil ser-se um cidadão ativo e participativo, com pensamento e opinião autónomas, nas atividades da sociedade.

Sobretudo, nunca foi fácil sê-lo pretendendo manter alguma autonomia de opinião em relação aos principais métodos pré-determinados de alinhamento social, partidos políticos, organizações religiosas, clubes desportivos, etc..

A tendência desses métodos de alinhamento é para o reforço do monolitismo da opinião, para o mínimo denominador comum e para a prevalência da opinião maioritária.

Atualmente, essa pretensão de autonomia de opinião é ainda mais difícil na sociedade informacional vigente, pois vivemos no paradigma da equivocidade.

Este paradigma caracteriza-se pela prevalência do excesso de informação e da informação conflituante, bem como pela proliferação dos meios e canais informacionais.

A equivocidade típica da sociedade atual substituiu a falta ou ausência de informação como paradigma vigente.

A alteração de paradigma modificou também as formas de guerra ou conflito informacional e, em particular, os métodos e estratégias de desinformação.

O desafio da obtenção de informação foi claramente substituído pelo da capacidade para selecionar, filtrar e analisar a informação disponível não só como forma de obter a melhor informação possível, mas, principalmente, para conseguir detetar-se as formas de manipulação informacional características das ações de desinformação.

Este desafio não é de somenos pois constitui um dos mais importantes meios de combate em favor de uma democracia plena e transparente. A proliferação de meios e canais informacionais, nomeadamente, os baseados na internet, em particular as redes sociais, veio contribuir para a disrupção nos meios clássicos de comunicação.

A desinformação e o conflito, ou guerra de informação, sempre existiram e sempre utilizaram os meios convencionais de informação. No paradigma anterior, as entidades estatais e o poder económico e financeiro eram os principais atores e beneficiários desse conflito.

Assistimos, ainda hoje, a muitas queixas relativamente a esta mudança na preponderância dos meios e canais de comunicação tradicionais, sendo que grande parte delas constituem apenas falácias de quem quer apenas recuperar o statu quo, e o poder inerente, e não uma verdadeira intenção reformadora.

Contudo, embora a expansão dos canais informacionais baseados na internet e a expansão das redes sociais tenha aspetos claramente positivos para a liberdade de opinião e para a diversificação das fontes de informação que conduz à formação dessa opinião, a sua proliferação e quase ausência de regulação introduz uma certa esquizofrenia opinativa e, consequentemente, informativa, que potencia a desinformação.

A tendência nos próximos anos será para o aumento da regulação e para o desenvolvimento tecnológico, com a utilização de mecanismos de inteligência artificial que virão ajudar o utilizador nessa hercúlea tarefa de análise e seleção, em tempo útil, da informação fidedigna.

No entanto, o principal desafio para o cidadão que pretenda ter uma participação social ativa é, claramente, ter consciência das características desta nova forma de funcionamento da sociedade da informação e construir uma atitude crítica e saudável em relação quer à informação disponível, quer à forma como desenvolve a sua opinião e, mais importante talvez, a forma como a comunica.

A corrente da desinformação é quebrada, na maioria das vezes, quando alguém para e pensa.

Recomendadas

Rio: populista ‘responsável’ e politico ‘antipolítico’

Rio é o líder da direita que diz não ser de direita, o político profissional que tenta parecer ‘antipolítico’ e o populista que demonstra sentido de Estado.

Luz verde no ‘Semáforo’ alemão?

Perante o novo contexto externo, terá a Alemanha compreendido que deve assumir-se como líder económico europeu, escolhendo governantes que agradam a gregos e germanos, mas empurrando a Europa para a linha da frente?

Temores inflacionistas

Os bancos centrais não devem tentar conter os aumentos salariais decorrentes da Grande Demissão.
Comentários