ERA Portugal vendeu 1.550 milhões de euros em imóveis

A meta da empresa imobiliária para este ano é atingir os 100 milhões de euros em comissões.

A ERA Portugal fechou o ano com a venda de 1.550 milhões de euros em imóveis, o que se traduz numa faturação de 87 milhões de euros em comissões de mediação imobiliária. A meta da empresa imobiliária para este ano é atingir os 100 milhões de euros em comissões.

O ano de 2017 foi, de acordo com a empresa, um ano próspero para a venda de imóveis e a expectativa é de que 2018 venha a ser ainda melhor. A pensar nisso, a ERA Portugal traçou como objetivo para este ano vender um montante de 2.000 milhões de euros em imóveis, o que significa a faturação de 100 milhões de euros em comissões de mediação imobiliária.

A empresa anunciou na semana passada o primeiro hub de informação em empreendedorismo imobiliário em Portugal, com o nome de ERA Business Accelerator. A iniciativa da marca vai ser lançada até ao final do próximo mês de março e é, segundo a empresa, um sinal de que a inovação faz parte do ADN da ERA e dos seus colaboradores”. Desde a sua fundação, há vinte anos, a empresa diz ter criado cerca de 390 startups e centenas de empreendedores.

Recomendadas

PremiumImparidades de 841,2 milhões de euros tiram 300 milhões ao lucro do BCP

O BCP teve lucros de 183 milhões de euros, menos 39,4% do que em 2019, graças às provisões de 841,2 milhões de euros no contexto Covid-19. Polónia e Fundos de Restruturação impactaram nas contas.

1.886 tripulantes da TAP votaram ‘sim’. Acordo de emergência fica aprovado no SNPVAC

A esmagadora maioria dos tripulantes da TAP representados pelo Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil votou favoravelmente o “Acordo de Emergência”, virando a página num processo negocial que tem sido longo para os trabalhadores do Grupo TAP, mas que salvaguardou algumas regalias laborais.

TAP. Pilotos do SPAC aceitam “acordo de emergência”

Com uma participação massiva de 96,8% dos associados do Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC), foi votado o “Sim” ao “acordo de emergência” estabelecido com a administração da TAP, com uma maioria de 617 votos. O regime sucedâneo é afastado para os pilotos, que vêm o ordenado ser cortado em 50% acima do valor de garantia de 1.330 euros mensais.
Comentários