Ericsson pede prisão de chairman de telecom indiana por dívida de 69,2 milhões de euros

A RCom, que já foi a empresa de telecomunicações mais valiosa da Índia, está num processo de sobrevivência empresarial depois de ter perdido grande parte da sua quota de mercado.

A empresa de telecomunicações Ericsson requereu junto do Supremo Tribunal da Índia a prisão do chairman da Reliance Communications (RCom), Anil Ambani, após a telecom indiana ter violado uma ordem judicial ao não pagar a dívida de 79 milhões de dólares (69,2 milhões de euros aproximadamente) ao grupo sueco.

A RCom, que já foi a empresa de telecomunicações mais valiosa da Índia, está embrenhada num processo de sobrevivência empresarial depois de ter perdido grande parte da sua quota de mercado. Nesse processo está incluída uma luta judicial com a Ericsson, iniciada em 2018, quando o grupo sueco deu entrada com um processo de pedido de insolvência contra a RCom, revindicando 158 milhões de dólares (138,5 milhões de euros) em dívida por taxas não pagas de serviços de gestão terceirizados.

De acordo com o “Financial Times“, a Ericsson aceitou baixar esse valor para metade, com a garantia de um pagamento imediato. O acordo foi deferido pelo Supremo Tribunal da Índia, em agosto, sendo que a RCom deveria ter pago 79 milhões de dólares até setembro do ano passado. Mas a telecom indiana conseguiu o prolongar esse prazo até dia 12 de dezembro, mas a quantia acordada ainda não ‘caiu’ na conta da Ericsson.

Pelo incumprimento, a telecom sueca responsabiliza o magnata indiano Anil Ambani, que é o chairman da RCom, e pede, por isso, a sua prisão por incumprimento de ordem judicial.

Acresce ainda o facto de a Ericsson acusar a RCom de procurar alongar o prazo do pagamento “sem intenção de pagar”, procurando também “lucrar ilegalmente” com a venda de ativos em vez de os transferir para os credores.

 

 

Ler mais
Recomendadas

CGD com “insuficiências” na análise de risco na concessão de crédito

Entre 2008 e 2013, o volume de créditos em incumprimento na CGD aumentou exponencialmente, de 1,5 mil milhões para 5,2 mil milhões, com os rácios a passarem de 2,3% para 7,5% respetivamente, segundo a auditoria. As imparidades, por sua vez, passaram de 3,2 mil milhões para 5,3 mil milhões de euros.

Inquérito/Energia: Vieira da Silva delegou em Zorrinho mas subscreve decisões

Vieira da Silva disse ainda “não ter dúvidas” de que “estrategicamente, teria sido vantajoso permanência do Estado na REN”, e adianta que “várias das medidas que o governo teve de tomar foram decididas num quadro de emergência.

Intervenção do Estado nas decisões da CGD teve “influência adversa”

A EY identificou, sobretudo, três situações originadas pelas estratégias definidas por sucessivos governos.
Comentários