Escritórios aceleram crescimento da atividade imobiliária em agosto

Dados da consultora Jones Lang LaSalle revelam ainda uma forte atividade da ocupação de escritórios em Lisboa, com os mais de 13.450 m2 tomados a apresentarem um crescimento de 272%, face ao período homólogo de 2017.

A ocupação de escritórios no passado mês de agosto levou um crescimento anual em 40% da atividade imobilária em termos homólogos, segundo os dados revelados esta sexta-feira pela consultora Jones Lang LaSalle (JLL). Agosto registou novamente uma forte atividade da ocupação de escritórios em Lisboa, com os mais de 13.450 m2 tomados a apresentarem um crescimento de 272% face a igual mês de 2017.

Este desempenho mensal, ainda que cerca de 51% abaixo do volume recorde ocupado em julho (27.576 m2), fez acelerar ainda mais o crescimento anual do mercado, com uma ocupação acumulada entre janeiro e agosto (127.845 m2) a aumentar 40% face ao mesmo período do ano anterior.

Mariana Rosa, diretora de Office Agency & Corporate Solutions da JLL, refere que “a procura de escritórios está de tal forma dinâmica que, mesmo com as restrições impostas pela escassez de espaço, o mercado está a mostrar uma atividade robusta, com a recuperação de edifícios a dar uma importante resposta a esta procura e as empresas a procurarem alternativas às localizações empresariais mais consolidadas”.

Recomendadas

Crédito das casas recua pelo 3º mês consecutivo, para 790 milhões de euros

Os empréstimos concedidos pelos bancos a particulares para habitação em setembro totalizaram os 790 milhões de euros, baixando pelo terceiro mês desde a entrada em vigor das novas regras do Banco de Portugal.

Negócio do portefólio imobiliário da Fidelidade não pagou IMT

O negócio de 425 milhões de euros teve isenção deste imposto por parte da Autoridade Tributária e Aduaneira.

Portugal foi o quarto país com maior atividade de investimento imobiliário no primeiro semestre do ano

País cresceu 35% ficando apenas atrás da Irlanda (94%), da Polónia (100%) e da Holanda (176%). Durante este período o volume total de investimento no continente europeu ultrapassou os 97 mil milhões de euros.
Comentários