Esforço que famílias fazem para pagar rendas supera um terço do rendimento em Lisboa, Setúbal, Évora e Faro

Setúbal, Faro, Évora, Lisboa, Beja e Vila Real são as cidades com a taxa de esforço mais elevada. No extremo oposto, Bragança, Portalegre e Leiria são as cidades com a taxa de esforço mais baixa.

De cada vez que um imóvel é arrendado para habitação uma taxa de esforço tem de ser apurada (habitualmente até um terço do rendimento familiar). Ora, de acordo com uma análise da plataforma imobiliária Idealista, em oito cidades portuguesas, a taxa de esforço supera um terço do rendimento familiar, podendo chegar aos 41%.

O Idealista chegou a esta conclusão depois de cruzar os preços de arrendamento de março de 2021 com a estimativa de rendimentos líquidos familiares nesse mesmo período de tempo. A plataforma imobiliária apurou que Setúbal, Faro, Évora, Lisboa, Beja e Vila Real são as cidades onde a taxa de esforço requerida supera os 33% do orçamento de uma família.

“Setúbal é a cidade onde é necessário fazer um maior esforço, visto que as famílias precisam destinar 41% dos seus rendimentos para pagar a renda”, lê-se. Seguem-se Faro (39%), Évora (38%), Lisboa (36%), Beja e Vila Real (ambas com uma taxa de esforço de 34%).

No limiar de uma taxa de esforço que não supere um terço do rendimento de um família estão as cidades de Castelo Branco (32%), do Porto (31%), Santarém (30%), Aveiro e Viseu (ambas com 29%).

As cidades com a menor taxa de esforço do país são Bragança (18%), Portalegre e Leiria (21%), Viana do Castelo (23%) e Braga (24%).

Recomendadas

Investimento imobiliário em Portugal deverá atingir os três mil milhões em 2021, estima Prime Yield

A consultora aponta os escritórios e a construção de habitação para arrendamento com os principais focos de interesse por parte dos investidores.

Preços das casas subiram 14,7% no Porto no último trimestre de 2020

Este valor representa quase o dobro da média nacional (7,8%). No período em análise o valor do m2 na Área Metropolitana do Porto fixou-se nos 1.288 euros, abaixo dos 1.638 euros\m2 da Área Metropolitana de Lisboa.

Procura de terrenos mais do que duplicou em 11 distritos. Em Bragança disparou 600%

A pandemia fez aumentar a procura de terrenos urbanísticos e rústicos para a construção de casa desde março de 2020. Preços subiram em metade dos distritos com destaque para Évora e Vila Real ambos com 39%, Bragança (+22%) e Coimbra (+21%).
Comentários