Espanha domina 70% das obras públicas na ferrovia nacional

O presidente da Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços (AECOPS), Ricardo Pedrosa Gomes, considera que a percentagem é “desproporcionada” e nota que “nunca existiu reciprocidade no mercado espanhol”.

A quota espanhola nas grandes obras da Infraestruturas de Portugal (IP) é de 70%. O presidente da Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços (AECOPS), Ricardo Pedrosa Gomes, considera que a percentagem é “desproporcionada” e nota que “nunca existiu reciprocidade no mercado espanhol”, noticia o jornal “Expresso”.

“[Esta questão] deve preocupar mais do que o setor, o próprio país, tal como acontece na banca”, defende Ricardo Pedrosa Gomes. Para o presidente da AECOPS, a dependência excessiva de Espanha, bem como de outras entidades externas, faz com que Portugal não tenha capacidade de decisão e as empresas não consigam afirmar-se em termos económicos.

Também o líder da Mota-Engil, António Mota, alerta para o perigo do domínio espanhol nas grandes obras nacionais. “Em Espanha, só as construtoras espanholas singram. Nem as portuguesas nem a de outros países conseguem ganhar obras”, diz.

“A obra pública é basicamente ferroviária, e em três concursos de valor conjunto de 300 milhões de euros, nós ficámos com um de 75 milhões de euros e o resto foi para construtoras espanholas. É fazer as contas”, alerta António Mota.

Enquanto na ferrovia, o domínio espanhol ronda os 70%, alargando o leque para todas as obras acima dos 10 milhões de euros, a quota espanhola é de quase um terço.

Recomendadas

PremiumAjustes na legislação laboral para teletrabalho

A crise de saúde pública trouxe a necessidade de novas formas e organização de trabalho, em que a imposição do teletrabalho foi a mais notória.

Seis startups e IPSS vencem prémios “Mais Ajuda”

Pixelability – Happies, Speak e The Inventors foram as empresas escolhidas. Quanto às instituições de solidariedade social, conquistaram o júri os projetos da Acreditar, Associação Portuguesa de Crianças Desaparecidas e Associação de Socorros Mútuos Mutualista Covilhanense.

Maioria das empresas portuguesas está sem modelos de ERM

Falar em “enterprise risk management” ainda é um problema para muitos gestores em Portugal. Antecipar cenários é uma ajuda ímpar porque identificam riscos e preveem impactos.
Comentários