Espanha domina 70% das obras públicas na ferrovia nacional

O presidente da Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços (AECOPS), Ricardo Pedrosa Gomes, considera que a percentagem é “desproporcionada” e nota que “nunca existiu reciprocidade no mercado espanhol”.

A quota espanhola nas grandes obras da Infraestruturas de Portugal (IP) é de 70%. O presidente da Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços (AECOPS), Ricardo Pedrosa Gomes, considera que a percentagem é “desproporcionada” e nota que “nunca existiu reciprocidade no mercado espanhol”, noticia o jornal “Expresso”.

“[Esta questão] deve preocupar mais do que o setor, o próprio país, tal como acontece na banca”, defende Ricardo Pedrosa Gomes. Para o presidente da AECOPS, a dependência excessiva de Espanha, bem como de outras entidades externas, faz com que Portugal não tenha capacidade de decisão e as empresas não consigam afirmar-se em termos económicos.

Também o líder da Mota-Engil, António Mota, alerta para o perigo do domínio espanhol nas grandes obras nacionais. “Em Espanha, só as construtoras espanholas singram. Nem as portuguesas nem a de outros países conseguem ganhar obras”, diz.

“A obra pública é basicamente ferroviária, e em três concursos de valor conjunto de 300 milhões de euros, nós ficámos com um de 75 milhões de euros e o resto foi para construtoras espanholas. É fazer as contas”, alerta António Mota.

Enquanto na ferrovia, o domínio espanhol ronda os 70%, alargando o leque para todas as obras acima dos 10 milhões de euros, a quota espanhola é de quase um terço.

Recomendadas

Infraestruturas de Portugal lança concurso público para requalificação do Túnel do Grilo

A verba estimada para esta obra é de 10 milhões de euros, que será destinada para a requalificação da infraestrutura e dos sistemas de segurança do Túnel do Grilo, localizado no lanço Olival de Basto / Sacavém do IC17 – CRIL, em Lisboa.

Tobias C. Pross é o novo CEO da Allianz Global Investors

Tobias C. Pross era até então diretor global de distribuição e trabalha há mais de 20 anos no grupo. Deborah Zurkow sobe a diretora global de investimentos, cargo até então exercido também por Andreas Utermann.

Novo crédito à habitação em setembro soma 915 milhões de euros, diz Banco de Portugal

Em setembro os volumes de novas operações para habitação, consumo e outros fins totalizaram 915, 462 e 284 milhões de euros, respetivamente, avança ao Banco de Portugal.
Comentários