Espanha, Finlândia, França e Noruega podem retirar armas à Turquia

A Noruega não vai aceitar novos pedidos de licenças de exportação de materiais de defesa e de materiais de múltiplos usos para a Turquia. Finlândia e Espanha também podem aderir a sanções militares.

STR/Lusa

A Noruega, país aliado da Turquia na NATO, anunciou a suspensão total de novas exportações de armas para Ancara após o início da ofensiva militar turca no nordeste da Síria. O país não vai aceitar novos pedidos de licenças de exportação de materiais de defesa e de materiais de múltiplos usos para a Turquia”, disse a chefe da diplomacia norueguesa, Ine Eriksen Soreide.

“Atendendo à complexidade da situação e que se altera rapidamente, o Ministério dos Negócios Estrangeiros, por medida de precaução, não vai aceitar novos pedidos de licenças de exportação de materiais de defesa e de materiais de múltiplos usos (…) para a Turquia até nova ordem”, declarou a chefe da diplomacia norueguesa, Ine Eriksen Soreide.

“De momento estamos a rever todas as licenças em vigor”, acrescentou numa mensagem enviada à agência noticiosa AFP pelo seu gabinete.

A Finlândia, que ao contrário da Noruega não é membro da NATO, também anunciou na quarta-feira a suspensão de todas as exportações de armamento em direção à Turquia ou outro país envolvido na guerra.

Já a Espanha, também membro da NATO, anunciou que retirará a bateria de mísseis antiaéreos Patriot, com um destacamento de 150 soldados, que foi colocada na base aérea de Incirlik, na fronteira da Turquia com a Síria em janeiro de 2015, se a situação na área piorar como resultado de a ofensiva turca contra as milícias curdos sírios.

Fontes diplomáticas adiantaram que o atual compromisso chega ao fim em dezembro deste ano, e embora houvesse anteriormente uma disposição de renová-lo por mais seis meses, é possível que o acordo venha a ser cancelado.

Entretanto, a França quer uma reunião urgente da coligação internacional que lutou contra o Daesh – de que fazem parte a própria França, a Turquia e os grupos curdos que estão a ser alvo de ataques por parte do regime de Ancara – para debater sem demora os acontecimentos na fronteira entre a Turquia e a Síria.

Ler mais
Relacionadas

“Abrirei os portões e enviarei 3,6 milhões de refugiados”. Erdoğan ameaça líderes europeus

Recep Tayyip Erdoğan ameaça que vai “abrir os portões” das fronteiras caso o ataque na Síria for considerado como “ocupação”. A Turquia lançou uma ofensiva militar contra os combatentes curdos no norte da Síria a 9 de outubro, com ataques aéreos que atingiram a cidade na fronteira de Ras al Ain.

Trump justifica abandono dos curdos: “Não nos ajudaram na Segunda Guerra Mundial”

Depois de ter ordenado a retirada das forças militares norte-americanas e dos turcos terem avançado com uma ofensiva no nordeste da Síria, Donald Trump defendeu o sucedido dizendo que os curdos não foram aliados na Segunda Guerra Mundial.
Recomendadas

Guerra comercial: Durão Barroso diz que na hora da escolha, Europa optaria pelos Estados Unidos

Antigo presidente da Comissão Europeia explicou que apesar do maior dinamismo da relação entre a União Europeia e a China, o peso da relação económica e geopolítica continua a pesar mais.

Boris Johnson ameaça recuar na proposta do Brexit e convocar eleições antecipadas em caso de chumbo

Frustrado com o impasse interminável do Brexit, o governo britânico ameaçou que, caso a proposta seja chumbada mais uma vez, que retirará a moção relativa ao Brexit e avançará para eleições antecipadas previstas para antes do Natal. “De forma alguma vou permitir meses mais disto”, afirmou Boris Johnson.

Instagram elimina fotografias de um cozido galego por “violência gráfica”

Tudo aconteceu após um comensal galego postar fotos de uma refeição para celebrar o “primeiro cozido da temporada” durante o almoço do domingo. A meio da tarde, o gastrónomo teve uma surpresa por parte da rede social.
Comentários