Espanha: S&P revê em alta ‘rating’ e DBRS melhora perspetiva da dívida pública

A Standard and Poor’s subiu em um grau o ‘rating’ atribuído a Espanha, de A- para A, com perspetiva estável. Quanto à dívida pública, a DBRS manteve a nota em A, mas melhorou a perspetiva, ao passá-la de estável para positiva.

A agência de notação norte-americana Standard and Poor’s (S&P) subiu esta sexta-feira em um grau o ‘rating’ atribuído a Espanha, de A- para A, com perspetiva estável. A melhoria da nota foi justificada com um crescimento económico superior ao da média europeia, uma trajetória descendente do nível de dívida pública e os avanços na consolidação orçamental.

A S&P, que não melhorava a nota de Espanha desde março de 2018, destacou no seu comunizado a “resiliência” da economia do Estado vizinho, apesar do impasse político se arrastar e da desaceleração da zona euro. A agência de ‘rating’ considerou ainda que a Espanha está mais capacitada para enfrentar riscos externos, como o ‘Brexit’ (saída do Reino Unido da União Europeia) ou a debilidade económica europeia.

Horas depois foi a vez de a a notação financeira da dívida pública de Espanha ter sido objeto de uma segunda apreciação, com a agência DBRS a melhorar a sua perspetiva. A DBRS manteve a nota em A, mas melhorou a perspetiva, ao passá-la de estável para positiva, sendo a decisão justificada com a melhoria sustentada das finanças públicas e com a previsão de um crescimento económico superior à média europeia em 2019 e 2020, apesar dos sinais de desaceleração.

A agência de notação financeira canadiana não prevê que o próximo governo faça alterações abruptas de política económica, nem muito menos reformas estruturais, que apesar de impopulares poderiam, na sua opinião, melhorar os resultados orçamentais e económicos.

Recomendadas

Bolsa nacional acompanha Europa, dominada pelo tema Brexit

Em Lisboa, há quinze empresas cotadas a negociar em alta, uma em baixa e duas sem variação.

Brexit, uma história interminável

O mercado está agora numa fase de algum risco acrescido, que a época de resultados não tem conseguido amenizar, até porque as empresas não fazem milagres e o ambiente económico é hoje bem mais desafiante do que há um ano

Topo da agenda: tudo o que não pode perder na economia e nos mercados esta semana

A reunião do BCE esta quinta-feira será a última do mandato de Mario Draghi, numa semana na qual a incerteza sobre o Brexit irá continuar. A época de resultados chega ao PSI 20, com a Galp e a Jerónimo Martins a divulgarem números do terceiro trimestre.
Comentários