“Esperamos sentir o efeito do investimento público no segundo semestre do ano”

A produção de betão em Portugal está a recuperar, devido ao investimento privado, depois de ter atingido o seu ponto mais baixo em 2013.

Reuters

Em declarações ao Jornal Económico, João Duarte, diretor-executivo da Associação Portuguesa das Empresas de Betão Pronto (APEB), explica que economia privada está a investir na reabilitação e até na construção nova e que se espera uma continuação da tendência com o aumento do investimento público.

Como tem evoluido o setor?

Em 2016, o setor conseguiu repetir o aumento do ano anterior, quando o investimento público foi o menor de sempre. Batemos no fundo em 2013, onde a indústria de betão pronto registou mínimos de 20 anos, ao sofrer uma queda acumulada de 70% face a 2008. A partir de 2014, o setor voltou a crescer, pouco a pouco e graças à iniciativa privada.

Os membros da APEB produziram no ano passado um total de 2,7 milhões metros cúbicos de betão pronto. Estimamos que a produção total de betão pronto no país ronda os 3,5 milhões de metros cúbicos.

Quais são as perspetivas para este ano?

Este ano, os sinais são muito bons. O clima está melhor e, sobretudo, a economia privada está a investir na reabilitação e até na construção nova. Estou em contacto com muitas empresas e o que tenho ouvido é tudo muito positivo. Até há dificuldade em dar resposta a todas as solicitações. Devido ao aumento de investimento público, previsto no orçamento do Estado para 2017, as perspetivas futuras só podem ser boas. Esperamos sentir o efeito no segundo semestre do ano.

Quais são os principais desafios para o setor?

O transporte de betão pronto precisa urgentemente de uma legislação adequada. Estamos a trabalhar para, ainda este ano, iniciar o processo para conseguir uma exceção à lei atual do transporte de mercadorias. Há um regulamento europeu que estabelece os limites dos tempos de condução, as pausas e os tempos de repouso. Estas regras pretendem aumentar a segurança nas estradas e fazem sentido para o transporte de mercadorias, mas não para o transporte de betão. O camião betoneira vai da central até à obra, ou seja, curtas-distâncias e está a maior parte do tempo parado com o motor ligado para manter o betão em movimento e evitar que endureça.
A APEB tem ainda outras propostas a apresentar. Queremos conseguir o aumento do peso máximo dos veículos de quatro eixos, que é o tipo mais utilizado no transporte do betao pronto. Isso vai permitir reduzir simultaneamente o consumo de gasóleo, as emissões de dióxido de carbono e o número de veículos pesados em circulação. Claro que a nossa proposta é consciente quanto à segurança rodoviária. O objetivo é distribuir o aumento do peso pelos vários eixos de forma a que o peso máximo por eixo não seja ultrapassado.

Artigo publicado na edição digital do Jornal Económico. Assine aqui para ter acesso aos nossos conteúdos em primeira mão.

Ler mais
Recomendadas

GEOTA coloca ação em tribunal para impedir construção da barragem do Fridão pela EDP

A ação foi colocada em tribunal a poucos dias de o ministro do Ambiente Matos Fernandes tomar uma decisão sobre a construção da barragem do Fridão pela EDP.

Somague ganha construção de estação do metro de São Paulo

A obra foi adjudicada por um montante de 14,5 milhões de euros (cerca de 62,2 milhões de reais) e terá um prazo de execução de 24 meses.

Grupo BCP desce abaixo dos 5% na Teixeira Duarte

No final de 2017 o Fundo e Pensões do BCP tinha 9,4% da Teixeira Duarte, construtora que é dominada em 50,4% pela TD SGPS.
Comentários