“Esperamos sentir o efeito do investimento público no segundo semestre do ano”

A produção de betão em Portugal está a recuperar, devido ao investimento privado, depois de ter atingido o seu ponto mais baixo em 2013.

Reuters

Em declarações ao Jornal Económico, João Duarte, diretor-executivo da Associação Portuguesa das Empresas de Betão Pronto (APEB), explica que economia privada está a investir na reabilitação e até na construção nova e que se espera uma continuação da tendência com o aumento do investimento público.

Como tem evoluido o setor?

Em 2016, o setor conseguiu repetir o aumento do ano anterior, quando o investimento público foi o menor de sempre. Batemos no fundo em 2013, onde a indústria de betão pronto registou mínimos de 20 anos, ao sofrer uma queda acumulada de 70% face a 2008. A partir de 2014, o setor voltou a crescer, pouco a pouco e graças à iniciativa privada.

Os membros da APEB produziram no ano passado um total de 2,7 milhões metros cúbicos de betão pronto. Estimamos que a produção total de betão pronto no país ronda os 3,5 milhões de metros cúbicos.

Quais são as perspetivas para este ano?

Este ano, os sinais são muito bons. O clima está melhor e, sobretudo, a economia privada está a investir na reabilitação e até na construção nova. Estou em contacto com muitas empresas e o que tenho ouvido é tudo muito positivo. Até há dificuldade em dar resposta a todas as solicitações. Devido ao aumento de investimento público, previsto no orçamento do Estado para 2017, as perspetivas futuras só podem ser boas. Esperamos sentir o efeito no segundo semestre do ano.

Quais são os principais desafios para o setor?

O transporte de betão pronto precisa urgentemente de uma legislação adequada. Estamos a trabalhar para, ainda este ano, iniciar o processo para conseguir uma exceção à lei atual do transporte de mercadorias. Há um regulamento europeu que estabelece os limites dos tempos de condução, as pausas e os tempos de repouso. Estas regras pretendem aumentar a segurança nas estradas e fazem sentido para o transporte de mercadorias, mas não para o transporte de betão. O camião betoneira vai da central até à obra, ou seja, curtas-distâncias e está a maior parte do tempo parado com o motor ligado para manter o betão em movimento e evitar que endureça.
A APEB tem ainda outras propostas a apresentar. Queremos conseguir o aumento do peso máximo dos veículos de quatro eixos, que é o tipo mais utilizado no transporte do betao pronto. Isso vai permitir reduzir simultaneamente o consumo de gasóleo, as emissões de dióxido de carbono e o número de veículos pesados em circulação. Claro que a nossa proposta é consciente quanto à segurança rodoviária. O objetivo é distribuir o aumento do peso pelos vários eixos de forma a que o peso máximo por eixo não seja ultrapassado.

Artigo publicado na edição digital do Jornal Económico. Assine aqui para ter acesso aos nossos conteúdos em primeira mão.

Ler mais
Recomendadas

Número de edifícios concluídos e licenciados aumentam no terceiro trimestre de 2018

Edifícios licenciados cresceram 16,3% face ao período homólogo (+20,3% no segundo trimestre de 2018), correspondendo a 5,3 mil edifícios. Já os edifícios concluídos subiram 12,3% (+17,9% no segundo trimestre de 2018) perfazendo um total de 3,9 mil edifícios.

Setor da construção apresenta plano estratégico até 2030

O documento será conhecido esta tarde, durante o 7º Fórum da PTPC, que decorrerá a partir das 14h30m, no grande auditório do LNEC – Laboratório Nacional de Engenharia Civil, em Lisboa.

Índice de produção na construção cresceu 4,5% no mês de outubro

O Índice de Produção na Construção registou uma taxa de variação homóloga de 4,5% em outubro face aos 4,2% de setembro. Já os índices de emprego e de remunerações cresceram 3,2% e 4,0% (2,6% e 3,1% em setembro), respetivamente.
Comentários