Ericsson estima atingir 1,9 mil milhões de subscritores de 5G em cinco anos

Com a aposta que a União Europeia está a fazer na implementação da quinta geração móvel, ao obrigar os Estados-Membros a terem infraestruturas e cobertura 5G já em 2020, a Ericsson prevê que a cobertura da nova tecnologia móvel abranja 45% da população mundial até ao fim de 2024.

Dentro de cinco anos, a quinta geração móvel (5G) deverá ter um total de 1,9 mil milhões de subscrições, de acordo com o Ercisson Mobility Report publicado este mês. “O crescente entusiasmo e dinamismo em relação ao 5G proporciona que a Ericsson venha a atingir mais de 400 milhões de subscrições adicionais de banda larga móvel otimizada, à escala global, até ao fim de 2024”, sublinhou a Ericsson, que também tem parcerias com telecom em Portugal.

A Ericsson é um dos principais fornecedores de materiais e dispositivos essenciais para a implementação do 5G e, por isso, a estimativa total feita agora pela tecnológica sueca representa um aumento de quase 27% face aos 1,5 mil milhões mencionados no relatório de novembro de 2018.

Com a aposta que a União Europeia está a fazer na implementação da quinta geração móvel, ao obrigar os Estados-Membros a terem infraestruturas e cobertura 5G já em 2020, a Ericsson espera, ainda, que a cobertura da nova tecnologia móvel abranja 45% da população mundial até ao fim de 2024.

“E tal pode chegar mesmo aos 65%, uma vez que a tecnologia de partilha possibilita a implementação do 5G em bandas de frequência LTE”, salientou a tecnológica sueca.

Aos números acresce uma previsão das regiões que mais rapidamente vão acolher o 5G: “É expectável que a adesão a subscrições de 5G seja mais rápida na América do Norte, com cerca de 63% das subscrições móveis antecipadas nesta região a ter origem no 5G, até 2024. Segue-se o nordeste asiático (47%), enquanto a Europa ficará em terceiro lugar neste ranking (40%)”, apontou a Ericsson.

Recomendadas

Altice estranha posição do Governo e diz que deu conhecimento da rescisão com IP Telecom

A Altice considerou hoje “muito estranha” a posição do Governo após o anúncio da rescisão do contrato com a IPTelecom, sublinhando que o Ministério das Infraestruturas e a IPT “foram informados” da decisão desde início de agosto.

Infraestruturas de Portugal diz que “sempre” esteve disponível para “exigências” da Altice

A Infraestruturas de Portugal (IP) disse hoje que “sempre mostrou disponibilidade para aceder às exigências colocadas pela Altice”, depois da empresa ter denunciado o contrato com a IPTelecom para o enterramento de cabos de telecomunicações.

Governo considera que não existem motivos para PCP e Bloco pedirem a fiscalização da lei laboral

O ministro do Trabalho defende que não há razões para os parceiros da geringonça pedirem ao Constitucional para avaliar as alterações ao Código do Trabalho.
Comentários