Esta aplicação conseguiu salvar 900 mil refeições do lixo em Portugal em três anos

Apesar de atualmente só estarem a atuar em Lisboa e Cascais, os planos de expansão a curto prazo, incluem o alargamento da aplicação para a zona do Porto, onde a empresa está a planear “ter uma presença forte até ao final deste ano”.

Phenix App

E se o desperdício alimentar fosse combatido com uma aplicação móvel que carregamos no bolso? Este é um dos objetivos da Phenix, uma empresa criada em 2014 em França, e que quer combater o desperdício alimentar e não alimentar. Desde que surgiu na Europa, já conseguiu salvar mais de 60 milhões de refeições do caixote do lixo.

Presentes em Portugal desde 2016, dois anos depois de ter sido criada, a empresa já conseguiu ‘resgatar’ mais de 900 mil refeições do lixo, evitando o desperdício alimentar. Este ano, a app ficou disponível a todos os cidadãos de Lisboa e Cascais , onde é possível “comprar alimentos considerados excedentes de produção de restaurantes, padarias, pastelarias, mercearias, frutarias, a preços reduzidos”.

Em Portugal são desperdiçados perto de um milhão de toneladas de alimentos, o equivalente a 17% da produção anual nacional. Segundo o projeto ‘Perda’, deste total, 28% tem origem na distribuição e comércio dos alimentos e cerca de 32% tem origem no consumo doméstico e na restauração.

Para diminuir o desperdício alimentar e não alimentar, a Phenix uniu-se a alguns supermercados, de forma a entregar os excedentes a instituições de solidariedade social, além da empresa dar formação aos colaboradores de grandes superfícies e muitos excedentes são ainda transformados para consumo animal.

Muitos produtos que estão em excedente das lojas, e que acabariam por ir para o lixo, são vendidos na aplicação móvel da Phenix, com preços que podem apresentar reduções de 50%. “O comerciante insere o cabaz na aplicação com um breve descritivo do que contém, permitindo ao utilizador saber o que está a adquirir. Desta forma reduzimos o risco dos consumidores acabarem por desperdiçar o que estão a comprar”, sustenta a empresa.

Apesar de atualmente só estarem a atuar em Lisboa e Cascais, os planos de expansão a curto prazo, incluem o alargamento da aplicação para a zona do Porto, onde a empresa está a planear “ter uma presença forte até ao final deste ano”.

O diretor-executivo da Phenix Portugal, Frederico Macedo Santos, admite que “chegámos à conclusão que o problema não provém só de uma parte ou outra da cadeia de produção, distribuição e consumo, mas é sim um cenário crítico em que todos os intervenientes têm responsabilidades”.

Atualmente, a aplicação conta com um total de 270 mil utilizadores e dois mil comerciantes parceiros nos cinco países onde atua (França, Bélgica, Suíça, Portugal e Espanha). Em Portugal, a empresa admite que já conta com mais de quatro mil utilizadores.

Ler mais
Relacionadas

Aplicação “salva” mil refeições de irem para o lixo

A ‘app’ dinamarquesa Too Good To Go chegou a Portugal no final do mês passado e permite aos restaurantes, supermercados e hotéis colocarem à venda os excedentes alimentares no final do turno e/ou dia.

‘Too Good To Go’ quer combater desperdício alimentar e chega a Portugal após expansão europeia

A ‘Too Good To Go’ prende-se pelo fim do desperdício alimentar e por isso ajuda os restaurantes a ganhar um pouco mais de receita sem terem de deitar para o lixo comida em perfeitas condições. A plataforma de combate ao desperdício chegou esta terça-feira a Portugal.
Recomendadas

Deutsche Bank multado em mais de 130 milhões de euros após Epstein usar contas do banco para silenciar vítimas

De acordo com o “The New York Times”, o Deutsche Bank não fez “muitas perguntas” a Epstein para o ter como cliente. Nem mesmo quando foi observada a retirada de 100 mil dólares (88,6 mil euros) das contas do falecido multimilionário para “gorjetas e despesas domésticas”.

Lufthansa vai cortar mil empregos administrativos e reduzir novas aeronaves a metade

Como parte do plano de reestruturação, a companhia aérea anunciou que os cortes nos postos de trabalho vão incluir também os cargos administrativos e de gestão.

Crise no mercado de retalho deve ser pior do que crise de 2009

Quando a recuperação económica chegar, a publicação estima que esta seja lenta, uma vez que a maioria dos mercados afetados pela crise de 2008/2009 demorou perto de um ano até que as vendas retomassem a níveis pré-crise.
Comentários