Esta região subpovoada em Itália paga 25 mil euros a quem se mudar para lá

De acordo com o Instituto Nacional de Estatística da Itália (Istat), a região de Molise, com uma população de 305 mil habitantes, está entre as regiões que perderam mais habitantes nos últimos anos. Mais de 9 mil pessoas já saíram desde 2014.

DR Giorgio Galano/Alamy Stock Photo

A região de Molise, em Itália, vai oferecer um cheque de 700 euros mensais, durante três anos num total de 25.200 euros, a todos aqueles que decidirem mudar-se para aquela região. No entanto, existem algumas contrapartidas: algumas vilas podem ter menos de dois mil habitantes e os recém-chegados têm que prometer abrir um negócio.

Essa é a proposta feita por Donato Toma, presidente de Molise. Ao The Guardian, o italiano explica que “se tivéssemos oferecido financiamento, teria sido um gesto de caridade”.

“Queremos fazer mais. Queremos que as pessoas invistam cá”, salienta. “Podem abrir qualquer tipo de negócio: uma padaria, uma papelaria, um restaurante, qualquer coisa. É uma maneira de dar vida à nossas cidade e ao mesmo tempo aumentar a população”, ressalva.

Toma acrescentou que as cidades com menos de 2 mil habitantes vão receber apoios mensais no valor de 10 mil euros para serem construídas infraestruturas e desenvolvidas atividades culturais. “Não é apenas uma questão de aumentar a população. As pessoas também precisam de infraestruturas e uma razão para ficar, caso contrário voltaremos à estaca zero de alguns anos atrás”.

De acordo com o Instituto Nacional de Estatística da Itália (Istat), a região de Molise, com uma população de 305 mil habitantes, está entre as regiões que perderam mais habitantes nos últimos anos. Mais de 9 mil pessoas já saíram desde 2014. Em 2018, mais de 2,800 pessoas morreram, ou mudaram-se para outras zonas, mais mil em comparação ao ano anterior. O Istat informa ainda que não foram registados nascimentos em nove das cidades de Molise.

Pela primeira vez em 90 anos, o número de italianos a residir em Itália desacelerou para 55 milhões. Entre 2014 e 2018, Itália ficou com 677 mil italianos a menos. Só em 2018, 157 mil emigraram.

Segundo os especialistas, dois fatores estão por trás deste declínio: uma diminuição no número de nascimentos, que é o nível mais baixo desde a unificação da Itália, e um aumento na migração de jovens para outros países europeus em busca de oportunidades de emprego.

A Itália é a única grande economia europeia, cuja população deverá diminuir ainda mais nos próximos cinco anos, informou a ONU. O país ocupa o segundo lugar – atrás do Japão – em termos de população mais envelhecida. As estimativas somam uma média de 168,7 idosos com mais de de 65 anos para cada 100 jovens.

 

Ler mais
Recomendadas

Sobrinho Simões: “Iremos morrer de velhice e não de cancro”

Na conferência da Unicâmbio, António Tavares, da Santa Casa da Misericórdia do Porto, denunciou “as democracias iliberais europeias em que os estados deixaram de ter preocupações sociais”, ao passo que José Silva Peneda denunciou uma “Europa à beira do precipício, dividida e sectária” e “sem pensamento geopolítico comum.”

Clínicas dentárias Smile.up e Cruz Vermelha vão tratar os dentes a quem procura emprego

“Sorrisos Felizes & Contagiantes” é uma campanha de responsabilidade social organizada pela Smile.Up – clínicas dentárias e pela Cruz Vermelha Portuguesa com o objetivo de prestar serviços de medicina oral a pessoas desfavorecidas que possam ser integradas no mercado de trabalho depois de corrigidos os seus problemas dentários.

Ministro do Ambiente diz que caudais do Tejo vão recuperar ainda este ano

O ministro do Ambiente disse hoje que o compromisso espanhol é que, em meados de dezembro, a barragem de Cedilho, no Tejo, “já terá uma quantidade de água” que permitirá o cumprimento da Convenção de Albufeira “sem qualquer sobressalto”.
Comentários