Estabelecimentos comerciais em contentores: este era o plano para a Praça do Martim Moniz, em Lisboa. Medina chumbou

O chefe do executivo municipal deu conta da “decisão de não avançar com o projeto que tinha sido apresentado e de se iniciar um processo de concurso de ideias” para a “reconfiguração da praça do Martim Moniz” na reunião pública da autarquia, a decorrer esta tarde nos Paços do Concelho.

Cristina Bernardo

O projeto de requalificação da Praça do Martim Moniz, que previa a construção de estabelecimentos comerciais em contentores, não vai avançar, anunciou hoje o presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina.

O chefe do executivo municipal deu conta da “decisão de não avançar com o projeto que tinha sido apresentado e de se iniciar um processo de concurso de ideias” para a “reconfiguração da praça do Martim Moniz” na reunião pública da autarquia, a decorrer esta tarde nos Paços do Concelho.

Fernando Medina (PS) admitiu que “por detrás do debate” decorrido nos últimos meses, marcado por muitas críticas de autarcas e moradores, “está uma preocupação legítima e profunda com a cidade, que é o facto de a cidade de Lisboa se ter alterado muito nos últimos anos” e a Baixa lisboeta se ter transformado “num espaço de pressão turística”.

“Eu identifico-me com estas posições. Acho que têm sentido. Acho que são uma leitura que importa valorizar sobre o estado atual da cidade de Lisboa”, reforçou.

O autarca salientou que, “ao longo destes últimos meses”, o executivo tem procurado uma “solução que sirva bem a cidade de Lisboa”, adiantando que tem havido um diálogo com o promotor e que não vai haver “uma rescisão unilateral do contrato” de concessão da Praça do Martim Moniz.

Relativamente às compensações financeiras a pagar pelo município, Fernando Medina disse que ainda não é possível quantificar e que em setembro essa questão será tornada pública.

O presidente da autarquia adiantou ainda que, para já, vão ser retirados os tapumes e a praça do Martim Moniz vai ficar tal como estava.

“Acho que esta é uma boa solução para a cidade. Uma boa solução para o Martim Moniz. Não me custa rigorosamente nada mudar de ideias, até porque acho que quando as mudamos para melhor é bom que isso aconteça”, reforçou Medina.

Ler mais
Recomendadas

Amnistia Internacional: “Vistos gold só trazem dificuldades para a classe média e baixa no acesso à habitação”

O acesso à habitação é, aos olhos da AI, um dos maiores desafios de direitos humanos em Portugal, “não só para as pessoas mais pobres, mas também para uma certa classe média e trabalhadora”, afirma Pedro A. Neto, diretor-geral da Amnistia em Portugal, em entrevista com o Jornal Económico. Preços “incontornáveis” são impulsionados pelo aumento dos ‘vistos gold’.

Helena Roseta considera “irrealista” compromisso de erradicar carências habitacionais até 2024

A ex-deputada independente eleita pelo PS Helena Roseta disse esta sexta-feira que é “irrealista” o compromisso do Governo de erradicar todas as carências habitacionais até 2024, indicando que existem mais situações além das identificadas no levantamento nacional de 2018.

Preços das casas em oito bairros de Lisboa já ultrapassam os cinco mil euros por metro quadrado

Chiado, Avenida da Liberdade, Barata Salgueiro, Baixa, Glória, Picoas, Bairro Alto e o eixo S.Paulo/Boavista/Conde Barão são as oito zonas da capital com preços mais elevados. O preço médio de venda das casas é de 3.870 euros/m2.
Comentários