Estabelecimentos comerciais em contentores: este era o plano para a Praça do Martim Moniz, em Lisboa. Medina chumbou

O chefe do executivo municipal deu conta da “decisão de não avançar com o projeto que tinha sido apresentado e de se iniciar um processo de concurso de ideias” para a “reconfiguração da praça do Martim Moniz” na reunião pública da autarquia, a decorrer esta tarde nos Paços do Concelho.

Cristina Bernardo

O projeto de requalificação da Praça do Martim Moniz, que previa a construção de estabelecimentos comerciais em contentores, não vai avançar, anunciou hoje o presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina.

O chefe do executivo municipal deu conta da “decisão de não avançar com o projeto que tinha sido apresentado e de se iniciar um processo de concurso de ideias” para a “reconfiguração da praça do Martim Moniz” na reunião pública da autarquia, a decorrer esta tarde nos Paços do Concelho.

Fernando Medina (PS) admitiu que “por detrás do debate” decorrido nos últimos meses, marcado por muitas críticas de autarcas e moradores, “está uma preocupação legítima e profunda com a cidade, que é o facto de a cidade de Lisboa se ter alterado muito nos últimos anos” e a Baixa lisboeta se ter transformado “num espaço de pressão turística”.

“Eu identifico-me com estas posições. Acho que têm sentido. Acho que são uma leitura que importa valorizar sobre o estado atual da cidade de Lisboa”, reforçou.

O autarca salientou que, “ao longo destes últimos meses”, o executivo tem procurado uma “solução que sirva bem a cidade de Lisboa”, adiantando que tem havido um diálogo com o promotor e que não vai haver “uma rescisão unilateral do contrato” de concessão da Praça do Martim Moniz.

Relativamente às compensações financeiras a pagar pelo município, Fernando Medina disse que ainda não é possível quantificar e que em setembro essa questão será tornada pública.

O presidente da autarquia adiantou ainda que, para já, vão ser retirados os tapumes e a praça do Martim Moniz vai ficar tal como estava.

“Acho que esta é uma boa solução para a cidade. Uma boa solução para o Martim Moniz. Não me custa rigorosamente nada mudar de ideias, até porque acho que quando as mudamos para melhor é bom que isso aconteça”, reforçou Medina.

Ler mais
Recomendadas

Lisboa e Porto são as cidades portuguesas mais atrativas para emigrantes comprarem casa

Por sua vez, os distritos que menos despertam interesse são a Ilha Terceira, com 0,2% das pesquisas, Bragança e Ilha de São Miguel com 0,6%, Guarda com 0,9%, Portalegre com 1%, Beja com 1,2%, Vila Real, Castelo Branco e Évora com 1,5%.

Promotora francesa investe 26 milhões de euros em projeto no Dafundo

A construção do projeto ‘Turquesa’ arranca entre julho e setembro deste ano e a sua conclusão está prevista para o segundo trimestre de 2023. Espaço tem uma área bruta de construção de 6.576 m2 e um total de 61 apartamentos, com tipologias que vão do T0 a T4+1.

Empresa dona do Zmar está insolvente, mas unidade turística vai reabrir

O Zmar pertence à Multiparques a Céu Aberto – Campismo e Caravanismo em Parques, S.A., com sede no concelho de Odemira, no distrito de Beja. A empresa foi declarada insolvente pelo Juízo de Competência Genérica de Odemira a 10 de março.
Comentários