Estado de Emergência: PSD vai votar a favor da renovação e Rui Rio pede “menor rigor no Natal”

Sobre o anúncio das medidas que constam no novo Estado de Emergência, Rui Rio defendeu que “o Governo deve dizer o mais rapidamente possível como pretende tratar o Natal, porque as pessoas deslocam-se entre concelhos nessa altura”.

Flickr/PSD

O presidente do PSD, Rui Rio, anunciou esta quinta-feira, à saída do encontro com o Presidente da República no Palácio de Belém, o voto a favor na renovação do Estado de Emergência que será votado esta sexta-feira.

“Vamos votar a favor do Estado de Emergência. Está na hora de unir esforços mas faremos as críticas se algo correr mal”, realçou o líder do PSD.

Sobre o anúncio das medidas que constam no novo Estado de Emergência, Rui Rio defendeu que “o Governo deve dizer o mais rapidamente possível como pretende tratar o Natal, porque as pessoas deslocam-se entre concelhos nessa altura”.

Relativamente à posição dos social-democratas sobre o tema, Rui Rio compreende que “haja um menor rigor no Natal por ser uma festa especial e pelo facto das pessoas terem sido muito condicionadas nestes meses”. Desta forma, o presidente do PSD defende que “será saudável” essa postura “para que os portugueses tenham um pequeno escape”. Já no que diz respeito à Passagem de Ano, Rui Rio acredita que as medidas devem ser mais apertadas do que no Natal.

O líder do PSD, que esteve presente na reunião do Infarmed, considera que “as medidas têm surtido algum efeito porque os números estão a melhorar” apesar de considerar que “o oroblema está muito longe de estar resolvido e já se sabe que temos longos meses pela frente”.

Relacionadas

Iniciativa Liberal defende relaxamento das restrições do estado de emergência no Natal

João Cotrim Figueiredo defendeu, numa audiência com Marcelo Rebelo de Sousa, que não haja proibição de circulação entre concelhos para que as famílias possam estar juntas na época natalícia.

PCP volta a sublinhar “opinião negativa” em relação ao Estado de Emergência

“Temos uma opinião negativa relativamente à declaração do estado de emergência, o seu conteúdo, não só porque é desproporcionado, como já temos dito que contém um conjunto de medidas que são ineficazes e não aponta para outras medidas”, referiu Jorge Pires.

CDS-PP quer “contrapartidas” para empresas em caso de prolongamento das medidas de restrição

O vice-presidente do CDS-PP António Carlos Monteiro lembra que a crise pandémica afeta não só os doentes com Covid-19 e alerta para o crescimento de “situações-limite” no país, em termos socioeconómicos.

BE pede ao Governo reforço do SNS e “plano concreto” para travar possível “sindemia” no país

À saída da reunião do Infarmed, o deputado bloquista Moisés Ferreira alertou para a necessidade de novas medidas de apoio, caso as restrições se mantenham, e à criação de um plano para travar uma “sindemia”.
Recomendadas

Covid-19: Portugal comprou doses de vacinas suficientes para mais de 18 milhões de pessoas

Portugal já adquiriu 31 milhões de doses de vacinas para inocular os cidadãos contra o novo coronavírus. Ministério da Saúde explica que as 800 mil doses adicionais da vacina da Moderna não foram compradas porque seriam entregues apenas no final do ano.

Oficial. Escolas fechadas a partir de amanhã durante 15 dias

Depois de Portugal ter registado ontem o pior dia da pandemia da Covid-19 em 10 meses, o Governo decidiu encerrar as escolas e universidades a partir de sexta-feira, 22 de janeiro.

Governo reforça confinamento. Assista em direto ao anúncio de António Costa

O Governo reuniu-se em Conselho de Ministros esta quinta-feira de manhã e anuncia agora a decisão de reforço do confinamento, que deverá abranger o fecho das escolas.
Comentários