“Estado deixou de ser providente e passou a ser desonesto”, acusa Associação Nacional dos Sargentos da GNR

Em reação à possibilidade de os militares da GNR ficarem de fora do plano de desbloqueio das carreiras na funçãom pública, a Associação Nacional dos Sargentos da Guarda apelida o estado de “desonesto” e alerta para o “desalento e desmotivação” e para a possível “quebra da harmónica função do Estado”.

Depois de conhecida a possibilidade de o Governo deixar de fora militares, médicos e polícias do programa de descongelamento das carreiras da função pública, a ANSG-Associação Nacional dos Sargentos da Guarda reagiu hoje em comunicado enviado às redações. No comunicado a associação defende que o Governo “deve ficar preocupado com as manifestações de descontentamento” por parte dos militares da GNR e alerta para que “preocupantes serão as posturas de desalento e desmotivação que podem levar à quebra da harmónica função do Estado”.

Os motivos para esta tomada de posição são muitos e elencados no comunicado emitido. No mesmo a ANSG diz que a postura do Estado é “incompreensível e reveladora de um Estado que deixou de ser providente e passou a ser um Estado desonesto”. E desonesto porque insiste na “ideia peregrina de que os militares da Guarda foram e são privilegiados”, apesar dos cortes de vencimento e suplementos já sofridos e que a ANSG diz se terem traduzido “na perda de cerca de 24,4% do poder de compra”.

A associação denuncia ainda “a forma como [o Estado] espoliou em 2010 os militares em cerca de 30 milhões de euros, aquando da transição para a nova tabela retributiva”, bem como pede ao executivo que justifique “a ascensão dos oficiais da academia ao generalato, com a criação do posto de brigadeiro general, que nem existia”, pedido ainda que seja explicado de onde serão retiradas “verbas para as suas valorizações remuneratórias”.

“De forma reiterada o Governo aposta na atitude obscena, discriminadora e traiçoeira ao tentar virar portugueses contra portugueses, por exemplo ao recusar em alterar o Estatuto Remuneratório da GNR tal como fez acontecer com a congénere PSP, cuja alteração mais recente ao regime remuneratório se traduziu num aumento salarial”, pode ler-se também em comunicado, qeu denuncia também o aumento do desconto para a SAD/GNR, “que em menos de dois anos subiu em 2,5%; conduzindo a um sistema auto-sustentável, quando caberia ao Estado financiá-lo, pelo menos em parte, comparticipando na saúde como com os demais cidadãos”.

Relacionadas

Poderá a polícia fazer greve? “Paciência já está no limite”, avisa sindicato

Em comunicado, o Sindicato Nacional da Polícia reage à possibilidade de os polícias ficarem de fora do descongelamento da progressão nas carreiras e afirma poder realizar ações de protesto “inéditas em Portugal”. O seu presidente diz que “tudo está em cima da mesa”, quando questionado sobre a possibilidade de uma greve na polícia.

Função Pública: janeiro trará aumentos a mais de metade dos funcionários

O Governo vai criar um “modelo por pontos” para decidir a progressão na carreira dos funcionários públicos. Os aumentos começarão a ser pagos em janeiro, a mais de metade dos trabalhadores do Estado.

UGT ameaça avançar com greve na Função Pública

Os sindicatos acusam o Governo de falta de comunicação com as organizações de defesa dos direitos dos trabalhadores e admitem avançar para greve caso o processo negocial se mantenha parado.

Função pública: Descongelamento de carreiras vai beneficiar quem nunca foi aumentado

O Executivo estará a desenvolver um modelo faseado para permitir descongelar as progressões ao longo dos próximos anos, já se consciencializou sobre a realidade nos vários ministérios e tem 200 milhões de euros disponíveis.
Recomendadas

Personalidades JE: Aníbal Cavaco Silva – Dez anos Presidente depois de uma década de Cavaquismo

Foi pela mão de Sá Carneiro que Cavaco Silva entrou na vida política “e foi nele que procurei inspiração no exercício das funções de Primeiro-Ministro”, como referiu na apresentação do seu último livro. Deixa para a história uma obra mais marcante nos dez anos em que liderou o Governo, nos quais viabilizou em Portugal investimentos tão relevantes como a Autoeuropa, a barragem do Alqueva ou a revitalização urbanística da Expo98. Depois do “Cavaquismo” foi Presidente da República durante outros 10 anos.

PremiumMarcelo deve juntar-se aos oito pré-candidatos a partir de dia 9

Presidente da República adia a sua decisão para depois das renovações do estado de emergência. Marcelo Rebelo de Sousa é já o imcumbente que mais tempo demorou a anunciar a recandidatura.

Marcelo quer Natal que permita às famílias “o desejado reencontro sem abrir a porta ao descontrolo”

Presidente da República explicou motivos para a renovação do estado de emergência numa comunicação televisiva aos portugueses.
Comentários