Estado estará insatisfeito com acionista privado da TAP e procura comprador para a posição

Lufthansa e United Airlines estão em cima da mesa para parceiros da companhia aérea nacional, avança o “Expresso”.

Os maus resultados da TAP estão a ser mal recebidos pelos acionistas, nomeadamente o Estado (que detém 50% da companhia aérea portuguesa), o que pode pressionar a saída do privado David Neeleman, avança a edição deste sábado do “Expresso”.

Segundo o semanário do grupo Impresa, os prejuízos de 120 milhões de euros no primeiro semestre de 2019 aumentaram a pressão entre o Governo e o empresário que, com Humberto Pedrosa, têm uma posição de 45% da TAP, através da Atlantic Gateway.

Apesar de ser “um nó que poderá levar anos a desatar”, a alemã Lufthansa e a norte-americana United Airlines estão em cima da mesa para serem os novos parceiros privados da transportadora aérea nacional. Contudo, para a Lufthansa, a TAP aporta o risco de retirar o hub de Lisboa e a United Airlines não pode ter mais de 49,9% por não ser europeia.

Nos primeiros seis meses deste ano, a TAP registou prejuízos acumulados de 120 milhões de euros. O EBIT (resultado operacional) da companhia na primeira metade deste ano atingiu os 85 milhões de euros negativos, um desempenho pior em 39,2 milhões de euros que no período homólogo do ano anterior.

Segundo a administração da TAP, este comportamento ficou a dever-se “à fraca ‘performance’, registada no primeiro trimestre, já que o segundo trimestre registou um valor positivo de 16,4 milhões de euros (um aumento de 14,5 milhões de euros face ao mesmo período de 2018)”.

Relacionadas

TAP regista prejuízos de 120 milhões no primeiro semestre

Quebra nas receitas com o Brasil e aumento de custos de pessoal foram alguns dos motivos que geraram este resultado negativo.
Recomendadas

Cerca de 60 pessoas em protesto contra o fecho dos CTT no Monte de Caparica

Cerca de 60 pessoas protestaram hoje contra o fecho do único posto de correios no Monte de Caparica, em Almada, no distrito de Setúbal, afirmando que vão “lutar até ao fim” para que permaneça na freguesia.

A senhora que se segue no Turismo é Rita Marques, atual CEO da Portugal Ventures

Rita Marques lidera a Portugal Ventures, entidade que resultou da fusão de três Sociedades de Capital de Risco em Portugal – AICEP Capital, InovCapital e Turismo Capital.

Porsche quer SIVA a crescer para 30 mil carros vendidos por ano “a médio prazo”

“Estamos muito orgulhosos por conseguirmos concluir esta operação”, que ficou fechada a 15 de outubro, revelou em conferência de imprensa Hans Peter Schützinger, CEO da Porsche Holding Salzburg.
Comentários