Estado prorroga garantias de seguro de crédito à exportação até 31 de dezembro

Esta é a segunda prorrogação da Linha de Apoio do Estado para a exportação que no último prolongamento de vigência passou também a abranger todos os mercados identificados na Lista de Risco-País da OCDE.

A Crédito y Caución alcançou um acordo com o Estado para uma nova prorrogação da Linha de Apoio ao Crédito Comercial para o mercado externo com garantias do estado até 31 de dezembro de 2021. Esta linha de apoio, cuja vigência terminaria no final do mês de junho, permite às empresas seguradas da Crédito y Caución beneficiarem de cobertura adicional do Estado em operações a crédito com entidades em mercados externos.

Esta é a segunda prorrogação da Linha de Apoio do Estado para a exportação que no último prolongamento de vigência “passou também a abranger todos os mercados identificados na lista de risco-país da OCDE”, lê-se na nota divulgada, esta quarta-feira. Este mecanismo de apoio à exportação, permite às empresas exportadoras nacionais beneficiar nas suas apólices de seguro de crédito de cobertura adicional do Estado português.

A nota informa ainda que linha de apoio “exportação segura 2021″ abrange operações para todos os mercados em que as empresas seguradas da Crédito y Caución tenham clientes e pode ser utilizada nos casos em que a seguradora tenha concedido cobertura insuficiente no âmbito da sua Apólice de Seguro de Crédito, sendo o montante da garantia adicional do Estado indexado ao risco assumido pela seguradora. O limite por operação varia em função do risco de crédito do comprador, podendo chegar a 1,5 vezes o valor classificado pela Crédito y Caución.

“A nova prorrogação da Linha de Apoio ao Crédito Comercial com Garantia do Estado para a exportação era inevitável de modo a garantir a retoma progressiva das atividades exportadoras, num contexto mundial que permanece incerto e cujas perspetivas são ainda instáveis na generalidade dos mercados mundiais”, salienta Paulo Morais, diretor territorial da Crédito y Caución para Portugal e Brasil.

Adicionalmente, a Crédito y Caución vai disponibilizar às empresas suas seguradas garantias adicionais do Estado no montante global de 165 milhões de euros que podem agora ser utilizadas em operações a realizar até 31 de dezembro.

Recomendadas

Julgamento de Ricardo Salgado volta a ser adiado (com áudio)

O julgamento foi adiado a pedido do Ministério Público e marcado para 6 de julho.

BES: Fundos internacionais lesados exigem ser ressarcidos ou boicotam recuperação europeia

Um grupo de investidores institucionais internacionais coordenado pelo fundo Attestor Capital, lesados em 2.000 milhões de euros no caso BES, quer que a Comissão Europeia (UE) resolva o caso, sob pena de não financiarem a recuperação económica pós-pandemia.

Novo Banco: PSD contraria Mourinho Félix quanto à retransmissão de obrigações de 2015

Acusando o antigo governante socialista de dizer “coisas que contradizem os factos”, Hugo Carneiro contrariou a versão de Mourinho Félix quanto à subida dos juros após a retransmissão de obrigações em 2015, dizendo que esta aconteceu sim após a apresentação do Orçamento do Estado de 2016.
Comentários