“Estados-membros da UE têm de proteger pessoas como Rui Pinto”, afirma Ana Gomes

A antiga deputada europeia participa num debate dedicado ao ‘whistleblowing’ organizado pela Universidade Católica e assume que “a proteção dos whistleblowers é fundamental”.

Cristina Bernardo

Ana Gomes defendeu esta segunda-feira que os “Estados-membros da União Europeia têm de proteger pessoas como o Rui Pinto”. A antiga eurodeputada participa esta segunda-feira num debate sobre o ‘Whistleblowing’ organizado pela Universidade Católica de Lisboa.

“Quem faz denuncias anónimas fica lá o registo, por isso não será difícil perceber se Rui Pinto as fez ou não. A proteção dos whistleblowers é fundamental”, referiu Ana Gomes.

Ana Gomes recordou também que teve o primeiro contacto com o papel dos whistleblowers na sociedade em 2009 no Parlamento Europeu, em virtude do tipo de sistema financeirizado que hoje em dia é suportado pela base informática. “Vimos que era indispensável mudar e melhorar e isso foi feito pelo whistleblowers”, salientou.

A antiga deputada do PS sublinhou que “foi fundamental movimentarmos-nos como agentes políticos para percebermos a importância que os whistleblowers tiveram e perceber a realidade inerente a todo o tipo de transações financeiras”.

Recomendadas

Lesados do Banif vão exigir indemnização de 250 milhões à TVI

Associação de lesados aguarda desfecho do julgamento da TVI para avançar com ação cível contra a estação com pedido de indemnização milionária.

Ordem dos Advogados: Conselho Regional de Lisboa pede isenção de três meses no pagamento das quotas

O conselho que reúne mais de metade dos 32 mil advogados inscritos na Ordem pede auxílio financeiro para mitigar os efeitos que o novo coronavírus traz ao rendimento mensal de muitos destes profissionais.

Estado de emergência: Presidente do STJ apela a “respeito cívico” para “evitar que seja alargado”

Presidente do Supremo Tribunal diz que medida decretada pelo Chefe de Estado “é necessária” para atribuir ao Governo “poderes excecionais para limitar direitos e liberdades e impor comportamentos à sociedade” para conter a propagação do Covid-19. António Piçarra apela ao “respeito cívico” pelo estado de emergência para evitar que “seja alargado além do estritamente necessário” e assegura que Estado de Direito e a ordem constitucional “não estão suspensos”.
Comentários