Estados Unidos aplicam tarifas de 1.150 milhões em retaliação à ‘taxa Google’ francesa

Tarifas serão aplicadas em malas, produtos de maquilhagem e higiene. Medida será aplicada após uma moratória de seis meses.

O representante comercial dos Estados Unidos anunciou que o país vai impor tarifas de 1.150 milhões de euros para produtos franceses em retaliação à chamada ‘ taxa Google’ que afeta multinacionais americanas como Facebook, Apple, Google e Amazon, informa o espanhol “El Economista” este sábado, 11 de julho.

A Administração de Donald Trump acredita que essa taxa é injusta e expressamente direcionada contra as empresas norte-americanas em questão e como tal, irá tributar produtos como malas, produtos de maquilhagem e higiene, numa medida que será aplicada após uma moratória de seis meses.

“A medida adotada neste sábado envia uma poderosa mensagem contra impostos discriminatórios direcionados contra empresas americanas, o que não leva à modernização do sistema tributário global”, referiu o presidente da Associação da Indústria de Comunicações e Computadores, Matt Schruers, ao “Politico”.

“As mudanças nas regras tributárias devem ser negociadas de boa fé e através de uma abordagem de consenso na OCDE, que lida com as mudanças na economia digitalizada global”, acrescentou.

O presidente do Comité de Finanças do Senado dos Estados Unidos, Chuck Grassley, afirmou que “estas taxas de retaliação não são ideais, mas a recusa do governo francês em abandonar a sua imposição unilateral de impostos injustos e punitivos contra empresas americanas deixou o nosso governo sem opções”.

De recordar que os Estados Unidos retiraram-se em junho das negociações da OCDE sobre este imposto e alertaram para uma resposta com medidas de “proporções relevantes”.

Ler mais

Recomendadas

PremiumQueda da população ativa pode impedir recuperação económica rápida

A taxa de desemprego desceu no segundo trimestre, mas o impacto da pandemia no turismo e o aumento da concorrência global na era do teletrabalho preocupam os especialistas consultados pelo JE.

Estigma com produtos da China e quebra de turistas deixam restaurantes chineses em crise

Os restaurantes chineses sofrem mais quebras no negócio do que os restaurantes nacionais devido ao estigma associado a produtos da China, país onde o novo coronavírus foi detetado pela primeira vez, e porque o turista asiático deixou de visitar Portugal.

Covid-19: Direção do consumidor emite quatro alertas no mesmo dia sobre máscaras

Quatro modelos de máscaras com insuficiente retenção de partículas no material filtrante foram na semana passada, num só dia, motivo de alertas da Direção-geral do Consumidor (DGC) e sistema europeu de alerta rápido para produtos não alimentares (Rapex).
Comentários