EUA já tem o dobro dos casos de Covid-19 da China. Wall Street assusta-se e negoceia no ‘vermelho’

O presidente norte-americano, Donald Trump, disse na terça-feira que são estimadas entre 100 mil a 240 mil mortes nos Estados Unidos devido ao novo coronavírus numa altura em que os casos confirmados ascenderam a perto de 189 mil, o dobro dos casos registados na China.

Traders work on the floor of the New York Stock Exchange (NYSE) shortly before the closing bell in New York, U.S., January 6, 2017. REUTERS/Lucas Jackson

Os três principais índices da bolsa de Nova Iorque seguem em queda esta quarta-feira depois do pior trimestre desde a crise de 2008. O Dow Jones teve mesmo o pior desempenho trimestral da história ao afundar 23,21% nos primeiros três meses do ano devido aos impactos da Covid-19 na economia.

O presidente norte-americano, Donald Trump, disse na terça-feira que são estimadas entre 100 mil a 240 mil mortes nos Estados Unidos devido ao novo coronavírus numa altura em que os casos confirmados ascenderam a perto de 189 mil, o dobro dos casos registados na China.

Esta quarta-feira, o Dow Jones abriu a sessão a perder 3,55%, para 21.138,31 pontos; o S6P 500 desvaloriza 3,79%, para 2.486,63 pontos; e Nasdaq  cai 2,93%, para 7.474,25 pontos.

Segundo os dados da consultora ADP, em março foram destruídos 27 mil empregos nos Estados Unidos, muito abaixo das estimativas, que apontam para uma eliminação de 150 mil postos de trabalho. No entanto, os dados da ADP apenas abordou a situação até ao dia 12 março.

Mais tarde, será hoje publicado o índice da manufatura dos Estados Unidos relativa a março.

Nas matérias-primas, o preço do petróleo continua abaixo dos 30 dólares por barril. Em Londres, o Brent, referência mundial, negoceia nos 25,20 dólares, depois de perder 4,36%. Nos Estados Unidos, o West Texas Intermediate cede 0,68%, para 20,34 dólares.

Ler mais

Relacionadas

Procura de petróleo deve cair 30 milhões de barris por dia em abril, alerta Bloomberg

Citando o maior comerciante mundial de petróleo, a agência Bloomberg quantifica a queda prevista para este mês no consumo global, o que pressionará a descida das cotações internacionais de petróleo para níveis muito baixos. O banco Goldman Sachs refere que entre os países mais vulneráveis à descida dos preços do petróleo estão os EUA. No Estado de Wyoming já se vende crude abaixo dos 3 dólares por barril.

Bolsa de Lisboa segue em queda. Jerónimo Martins cai quase 5%

O grupo Sonae – Sonae SGPS e Sonae Capital – está em contraciclo com uma subida de 0,68% e 4,49%, respetivamente.

Vírus põe Wall Street em crise no primeiro trimestre do ano. Perdas podem prolongar-se, alerta especialista

“Penso que ainda haverá risco de maiores quedas”, frisou Ricardo Evangelista, analista sénior da ActivTrades, recordando o recorde histórico de subsídios de desemprego na semana passado nos Estados Unidos. “Isto ilustra bem a dimensão da crise provocada pelas medidas para conter o vírus e, infelizmente, a situação ainda deverá piorar antes de melhorar”, adiantou.
Recomendadas

Trump corta laço com a OMS mas não sobe tarifas à China e Wall Street fecha mista

Os Estados Unidos vão aumentar o escrutínio das empresas chinesas cotadas em Nova Iorque, algo que a Tencent se prepara para fazer já na próxima semana. “As empresas de investimento não devem sujeitar os clientes aos riscos escondidos e impróprios associados ao financiamento de empresas chinesas que não seguem as mesmas regras”, disse esta sexta-feira Donald Trump.

Bolsas europeias acabam semana com perdas. Papeleiras abalam PSI-20

Já EDP Renováveis subiu 1,71%, para 11,92 euros, um dia depois de ter informado que assegurou um contrato de 20 anos num leilão de energia eólica em Itália.

Wall Street abre mista à espera da conferência de imprensa de Donald Trump

A pressão vendedora começou a sentir-se logo ontem à noite, quando o presidente norte-americano informou que iria falar aos jornalistas sobre a China. “O governo dos Estados Unidos está… Vou usar a palavra furioso com o que a China fez nos últimos dias, semanas e meses”, disse esta sexta-feira o assessor económico da Casa Branca.
Comentários