Estados Unidos continuam “a monitorizar a influência significativa da China na EDP”

Michael Considine, que representa o Departamento de Energia no poderoso Comité de Investimento Estrangeiro nos EUA, esteve em Lisboa e recordou que apesar da tentativa de controlo ter falhado, a influência chinesa na energética portuguesa continuar a ser motivo de atenção em Washington.

Michael_Considine_energia_eua_1

A Oferta Pública de Aquisição (OPA) da China Three Gorges à EDP-Energias de Portugal e à EDP Renováveis morreu numa assembleia geral em abril, mas esse resultado não afastou a presença chinesa na energética portuguesa do radar de segurança norte-americano.

“Estamos muito conscientes do facto de, apesar de o recente bid para controlar a EDP ter falhado, o Estado chinês deter quase 28% do capital da empresa”, explicou Michael Considine, vice-secretário Adjunto do Departamento de Energia dos EUA, responsável pela área de investimento estrangeiro e segurança nacional num briefing na residência do embaixador norte-americano em Lisboa.

A estatal China Three Gorges, que detém 23,27% da empresa liderada por António Mexia, lançou a OPA em maio de 2018, mas desistiu da tentativa após uma proposta de alteração dos estatutos da empresa para acabar com o limite de votos de 25% por acionista ter sido chumbado na assembleia geral de abril. A CNIC, também detida pelo estado chinês, tem uma participação de 4,34% na EDP.

“Eles [os chineses] têm lugares na administração devido a esse investimento, portanto não tenho dúvidas que exercem influência significativa, e portanto é algo que continuamos a monitorizar”, sublinhou Considine, que representa o Departamento de Energia no Comité de Investimento Estrangeiro nos EUA (CFIUS).

“A EDP North America, através da unidade de renováveis, é um investidor muito significativo na rede elétrica nos Estados Unidos”, adiantou.

O embaixador George Glass explicou que a questão da OPA à EDP foi um dos mais importantes que tratou desde de ter sido nomeado por Donald Trump há pouco mais de dois anos, na perspetiva da segurança nacional, a par dos dossiês do 5G e do Porto de Sines.

Em março deste ano, Glass disse ao Jornal Económico que “em nenhuma circunstância os chineses vão controlar o que a EDP tem nos Estados Unidos”, adiantando que  a energética portuguesa devia ser controlada pelo Estado ou por privados sob regulação nacional.

Ler mais
Recomendadas

Euroxent indica que aumento de capital da Vista Alegre atraiu sobretudo investidores internacionais

O aumento de capital da Vista Alegre Atlantis (VAA) atraiu, maioritariamente investidores internacionais, numa operação “muito bem sucedida”, conforme defendeu esta sexta-feira a presidente executiva da Euronext Lisbon.

Seguradora Fidelidade entra no mercado chileno

Com esta entrada no Chilea Fidelidade vai também apostar em alianças com parceiros estratégicos locais, alavancadas numa rede ampla de corretores e grandes retalhistas e de bancassurance, apostando numa qualidade de serviço superior com o objetivo de proporcionar o melhor serviço aos clientes.

PAN pede campanha informativa sobre 5G em Matosinhos

Matosinhos tem uma Zonal Livre Tecnológica, promovida pelo CEiiA – Centro de Engenharia e Desenvolvimento, da qual faz parte a NOS. A operadora usa a zona para testar 5G e em outubro anunciou ter coberto “integralmente” com a nova tecnologia móvel. Agora o PAN pede palestras, conferências e debates por toda a cidade para explicar o que é o 5G.
Comentários