Estados Unidos e União Europeia lançam mecanismo de diálogo para coordenar resposta à China

“Estou certo de que a nossa discussão aprofundará o nosso compromisso com os nossos amigos da UE nesta importante questão. Os europeus também estão preocupados com o ambiente que vivemos, tal como nós”, disse Mike Pompeo.

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, anunciou esta quarta-feira que inaugurará, juntamente com a União Europeia (UE), um mecanismo de diálogo para coordenar a resposta à China.

“Nesta sexta-feira, o Alto Representante da UE, Josep Borrell, e eu lançaremos o diálogo EUA-UE sobre a China. Estou certo de que a nossa discussão aprofundará o nosso compromisso com os nossos amigos da UE nesta importante questão. Os europeus também estão preocupados com o ambiente que vivemos, tal como nós”, disse Pompeo.

O canal de diálogo foi acertado em junho: Borrell fez a proposta em 15 de junho durante uma reunião entre os ministros dos Negócios Estrangeiros da UE e dos EUA, e Pompeo anunciou posteriormente que concordou em criar tal mecanismo.

O chefe da diplomacia dos EUA anunciou ainda que a primeira coisa que esse mecanismo permitirá é criar um banco de dados que reúna as informações que a UE e os EUA têm sobre a China e, em seguida, coordenar as suas respostas.

Desde que o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, chegou à Casa Branca, em 2017, a luta pela hegemonia com a China intensificou-se.

As duas potências económicas travam uma guerra comercial desde março de 2018, além de um conflito tecnológico sobre a presença das empresas chinesas Huawei e ZTE nos concursos internacionais para a rede 5G – a que se juntaram países europeus – e, mais recentemente, os EUA e a China trocaram acusações de culpas sobre qual dos dois originou a atual pandemia de covid-19.

A UE deixou quer cooperar com a China para desenvolver o multilateralismo, embora discorde do gigante asiático em questões como os direitos humanos, a sua política em relação a Hong Kong – que acredita colocar em risco a semi-autonomia da região – ou as campanhas de desinformação de origem chinesa durante a pandemia.

Ler mais
Recomendadas

Congresso dos Estados Unidos ainda tem cinco incógnitas um mês depois das eleições

Dois lugares no Senado serão decididos numa segunda volta, marcada para 5 de janeiro, enquanto a Câmara dos Representantes aguarda por um duelo entre dois republicanos e pelas batalhas judiciais que devem ser travadas por dois candidatos democratas que ficaram a um punhado de votos das vencedoras. Elevado número de boletins enviados pelo correio atrasou escrutínio sobretudo nos estados da Califórnia e de Nova Iorque.

Covid-19: França registou 313 mortes num dia

O número de novos casos diários no país foi de 14.064 nas últimas 24 horas, uma subida face aos números dos dois dias anteriores, tendo sido já confirmados 2.244.635 casos de covid-19 em França desde o início da pandemia.

“Donald Trump quer um acordo para não ser acusado”, diz ex-porta-voz Scaramucci

Num painel da Web Summit, o ex-porta-voz que se tornou crítico disse que Donald Trump quer causar “tanto estrago quanto humanamente possível” para conseguir um acordo de imunidade. Estrategas dos dois lados do espectro político disseram que a reação Trump aos resultados tem causado distração desnecessária.
Comentários