Estas são as companhias aéreas com crescimento mais rápido a nível mundial. A TAP está lá

Uma empresa de bandeira a competir com as low cost em termos de crescimento do número de lugares disponíveis é um facto raro, que a transportadora nacional atingiu.

TAP

Quatro das seis principais companhias aéreas de mais rápido crescimento no mundo no ano passado foram transportadoras lowcost, como seria de esperar – mas a TAP, que não pertence a essa categoria, faz também parte do restrito ranking, da responsabilidade da Routesonline.

A lista foi compilada pela classificação das 100 maiores operadoras do mundo por capacidade disponível em 2017; os dados foram comparados com o valor da capacidade anunciado em 2016 e ordenados por crescimento percentual ano-a-ano. Todos os 100 melhores tinham mais de um milhão de lugares disponíveis por mês durante 2017.

O estudo daquela empresa permitiu revelar que o forte crescimento dos negócios domésticos juntamente com o lançamento da primeira rota intercontinental, foram os mais fortes contributos para a lowcost chinesa (LCC) Lucky Air crescer a uma taxa mais rápida do que qualquer outra grande companhia aérea do mundo nos últimos 12 meses.

A companhia, uma subsidiária da Hainan Airlines, tinha mais 3,3 milhões de lugares disponíveis em 2017 em relação ao ano anterior, com uma taxa de crescimento de 35,3%. A Lucky Air lançou seu primeiro voo em 2006 e expandiu-se rapidamente nos últimos anos. Além do forte crescimento doméstico, conseguido com a ligação de cidades de ‘segundo nível’, a companhia concentrou-se na expansão no sul e sudeste da Ásia, com voos para Kuala Lumpur e Penang, entre outros.

Por outro lado, a Lucky Air lançou o seu primeiro serviço intercontinental com a ligação entre Kunming e Moscovo, a que rapidamente juntou serviços da Europa para São Petersburgo e Helsínquia.

No segundo lugar no ranking encontra-se a companhia aérea indonésia Sriwijaya Air, com um aumento de 32,6% na capacidade oferecida, que atingiu os 13 milhões de lugares disponíveis em 2017. A operadora concentrou-se no crescimento internacionalmente nos últimos meses, particularmente na China, adicionando serviços de Jacarta a Nanning e Haikou.

Igualmente oriunda da Indonésia, a Batik Air, propriedade do Lion Group, ocupa o terceiro lugar, depois de aumentar a sua capacidade disponível em 25% relativamente a 2016. Novas rotas lançadas pela operadora em 2017 incluíram Chennai-Bali e Medan Kuala Namu-Kuala Lumpur-Chennai.

A Eurowings, propriedade da Lufthansa, é, segundo a empresa responsável pelo estudo, uma das mais preparadas para um maior crescimento em 2018. Embora a companhia tenha falhado a aquisição da transportadora austríaca Niki (lançada pelo ex-piloto de Fórmula 1 Niki Lauda), a Lufthansa promete investir cerca de mil milhões de euros para crescer rapidamente este ano. Em dezembro de 2017 o grupo completou a compra da Luftfahrtgesellschaft Walter, ligada à Air Berlin, adicionando 33 aviões à sua frota.

A seguir surge a Wizz Air, companhia húngara que se concentra principalmente nos mercados da Europa Central e Oriental, mas que se expandiu constantemente para o oeste ao longo de 2017. Em junho desse ano, abriu uma nova base no aeroporto de Luton, Londres.

A Indian LCC SpiceJet encontra-se em sexto lugar, seguida da Beijing Capital Airlines, uma subsidiária da Hainan Airlines; da transportadora chinesa Shandong Airlines; da companhia de bandeira TAP Air Portugal; e finalmente da companhia aérea brasileira Avianca Bra

Relacionadas

TAP envia dois aviões A330 para escoar passageiros do Aeroporto da Madeira

Na passada quarta-feira foram cancelados 28 voos no Aeroporto da Madeira devido às condições climatéricas que se fazem sentir na Região Autónoma.

Madeira e Açores registam o maior crescimento da taxa de ocupação nos voos da TAP

Pela primeira vez num mês de janeiro, a TAP transportou mais de 50 mil passageiros nos voos Lisboa – Funchal. A companhia aérea portuguesa superou também a marca de um milhão de passageiros alguma vez registada num mês de janeiro.

Acionista chinês da TAP vai vender 13 mil milhões ativos para evitar crise de liquidez

A decisão foi anunciada em assembleia de credores esta terça-feira pela administração do grupo HNA. O conglomerado chinês está a passar um período de forte instabilidade financeira relacionada com endividamento excessivo.
Recomendadas

Associações deixam comissão sobre estratégia dos cereais e culpam Governo

Em causa está a “evidente falta de compromisso” do Ministério da Agricultura em aplicar esta estratégia, sobretudo, após ter remetido às confederações um documento relativo às decisões sobre os pagamentos diretos 2022 da Política Agrícola Comum (PAC).

Bruxelas tem 12 milhões de euros para apoiar os media e já abriu candidaturas

Bruxelas quer apoiar os media de forma a “estimular uma esfera pública viva e diversificada” na União Europeia. A verba agora disponibilizada divide-se em quatro tipos de apoios diferentes à comunicação social, desde projetos multilingues a redes de comunicação para os mais jovens.

Fintech portuguesa Magnifinance vai entrar na Alemanha e Áustria

A empresa financeira, que conta com 15 pessoas distribuídas por Portugal, Brasil e Espanha, não vai precisar de aumentar exponencialmente a equipa, mas quer encontrar mais um programador (‘full-stack web developer’).
Comentários