Estes são os 10 países que mais ouro produziram em 2020

O ouro, visto como um ativo de refúgio, foi um dos destaques em 2020 devido às dificuldades económicas provocadas pela pandemia de Covid-19. A maioria dos países presentes neste top 10 aumentaram a sua produção, com a China a reforçar a liderança da lista dos maiores produtores a nível global.

O ouro valorizou 23,5% em 2020 durante o primeiro ano de pandemia, com os investidores um busca deste ativo de refúgio, demonstrando, mais uma vez, que quando o futuro é incerto, o ouro volta a ser muito procurado.

Em 2020, o ouro começou o ano nos 1.527 dólares por onça e terminou a valer 1,887 dólares por onça. No entanto, desde o início deste ano que o ouro tem vindo a desvalorizar: dos 1.943 dólares por onça para os 1.705 dólares por onça, descendo 12,2%.

China, Austrália, Rússia e Estados Unidos foram alguns dos maiores produtores de ouro do mundo. Em 2020, a produção global de ouro atingiu as 3.200 toneladas métricas, com vários países a aumentarem a suas explorações deste metal precioso. Conheça os 10 maiores produtores a nível mundial, segundo os dados do portal “Statista”.

 

Recomendadas

Topo da agenda: o que vai marcar a atualidade esta quinta-feira

O prazo para apresentação do Programa de Estabilidade vai até 15 de abril. No parlamento, há audição de Pedro Machado, ex-diretor adjunto do departamento de supervisão macroprudencial do Banco de Portugal.

Mais de 51 milhões de euros em reembolsos de IRS começam a chegar aos contribuintes

Os primeiros reembolsos de IRS vão chegar a perto de 55 mil contribuintes num total de imposto a devolver de 51,1 milhões de euros. Um montante apurado nas mais de 73 mil declarações já liquidadas, revelou ao Jornal Económico fonte oficial do Ministério das Finanças. Segundo o último balanço da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT), até esta quarta-feira, 14 de abril, mais de 1,9 milhões de declarações de IRS já foram submetidas.

Agroindústria portuguesa tem condições para continuar a crescer, mas deve investir no conhecimento

O presidente da Lusomorango, Luís Pinheiro, e o diretor do Centro de Estudos Aplicados da Universidade Católica, Ricardo Reis, defendem que o sector agroindustrial tem condições para se desenvolver, no início da última conferência do ciclo para a concretização de uma visão estratégica para o agroalimentar em Portugal
Comentários