PremiumEstivadores avançam para greve total para durar até ao final de março

Sindicato dos Estivadores apresentou novo pré-aviso de greve, transformando a paralisação parcial em greve geral ao trabalho no porto da capital e prolongando o prazo até ao final do mês de março.

A greve dos estivadores no porto de Lisboa entrou numa fase mais dura, tendo o último dos pré-avisos de greve apresentado pelo SEAL – Sindicatos dos Estivadores e da Atividade Logística prolongado o período de paralisação até 30 de março e passado de uma greve parcial, em que os estivadores apenas trabalhavam no período entre as 17h00 e as 01h00, para uma greve total, 24 horas sobre 24 horas. Este período de greve geral no porto de Lisboa terá início a partir do próximo dia 9 de março.

Acentuam-se, assim, as nuvens negras sobre o futuro do porto da capital, que tem vindo a perder terreno de forma consecutiva no panorama portuário nacional, não só em termos de cargas movimentadas, como no que respeita aos indicadores económico-financeiros dos seus diversos operadores portuários – o grupo turco Yilport, que gere os terminais de Alcântara e de Santa Apolónia; o Grupo ETE – Empresa de Tráfego e Estiva, responsável pela gestão do terminal multiusos do Poço do Bispo; e o Grupo Ership, de origem espanhola, que gere o TMB – Terminal Multiusos do Beato.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Leia aqui o Jornal Económico desta semana

A edição digital do Jornal Económico vai estar disponível gratuitamente durante as próximas semanas, devido à situação de emergência nacional causada pela epidemia de Covid-19. Desta forma, todos os leitores continuarão a ter acesso ao Jornal Económico.

Défice da balança comercial aumentou para 1.547 milhões de euros em fevereiro

Tanto as importações como as exportações aumentaram no segundo mês do ano devido à subida do comércio intra-União Europeia, segundo o INE.

Mais de 264 mil portugueses estão em risco de desemprego devido à pandemia

Pandemia de Covid-19 pode fazer desemprego disparar 75% até ao final do ano, segundo cálculos do Jornal Económico, com base em cenários publicados pelo Banco de Portugal e dados do Instituto Nacional de Estatística. Serviços e indústria são os mais expostos, dizem especialistas.
Comentários