“Estou arrasado”. Falência dos restaurantes de Jamie Oliver põe em risco 1.300 empregos

A maior parte dos estabelecimentos afetados pertence à cadeia Jamie’s Italian, lançada em 2008. Segundo a BBC, estão em causa 25 restaurantes do referido cozinheiro.

O célebre ‘chef’ britânico Jamie Oliver anunciou hoje a falência dos seus restaurantes no Reino Unido, o que põe em risco 1.300 empregos.

A maior parte dos estabelecimentos afetados pertence à cadeia Jamie’s Italian, lançada em 2008. Segundo a BBC, estão em causa 25 restaurantes do referido cozinheiro.

“Estou arrasado pela falência dos nossos restaurantes no Reino Unido”, declarou o ‘chef’ no Twitter.

Em comunicado, Oliver agradeceu aos empregados e fornecedores pela sua entrega ao longo de mais de 10 anos de atividade.

Os ‘media’ britânicos noticiaram que os restaurantes em causa foram colocados sob administração judicial da KPMG, que vai tentar encontrar um ou mais compradores para toda ou parte da atividade. Caso isso não seja possível, os estabelecimentos fecham.

Jamie Oliver é uma figura dos meios culinários conhecido por vários programas de televisão e pela publicação de alguns livros.

No início de 2017, tinha já anunciado o encerramento de seis estabelecimentos da cadeia Jamie’s Italian no Reino Unido, justificando na altura que isso ocorria devido ao ‘Brexit’ (saída britânica da União Europeia), que levou a um aumento do preço dos ingredientes utilizados para os pratos italianos.

Ler mais
Relacionadas

Restaurantes de Jamie Oliver declaram insolvência e põem em risco mais de mil postos de trabalho

A consultora KPMG foi chamada para gerir os destinos do grupo, muito fragilizado financeiramente. Estão em risco mais de mil empregos. O famoso chef já reagiu: “Estou profundamente entristecido por este desfecho”.
Recomendadas

PremiumFornecedores ganham margem negocial sobre grandes superfícies

Diploma impede distribuição de tirar de forma unilateral dinheiro de contas-correntes com fornecedores. “Era uma prática aberrante”, diz a Centromarca.

Lesados do BES. António Costa “disse que acabou. Não há mais dinheiro”

Uma organizadora do movimento dos emigrantes lesados do BES em França contou hoje à Lusa que o primeiro-ministro, António Costa, lhe disse que não haveria mais dinheiro para além do que já foi acordado.

Trabalhadores da General Motors em greve a partir de segunda-feira

O sindicato United Auto Workers (UAW), o maior do setor automóvel, marcou hoje uma greve que abrange os cerca de 48 mil trabalhadores do gigante norte-americano General Motors (GM) na primeira paralisação em 12 anos.
Comentários