Estratégia, uma ferramenta poderosa

Em abril de 2012, o Instagram é vendido ao Facebook por cerca de mil milhões de Euros. O curioso é que na mesma semana em que uma aplicação de partilha de fotografias com 13 colaboradores é tema de conversa pelo valor da transação, uma empresa com mais de 100 anos de história e que foi pioneira no mundo das fotografias digitais apresentou a falência.

Em abril de 2012, o Instagram é vendido ao Facebook por cerca de mil milhões de Euros. O curioso é que na mesma semana em que uma aplicação de partilha de fotografias com 13 colaboradores é tema de conversa pelo valor da transação, uma empresa com mais de 100 anos de história e que foi pioneira no mundo das fotografias digitais apresentou a falência. A Kodak, que chegou a ter 145 mil colaboradores no mundo inteiro, foi das primeiras multinacionais a sentir o “peso” das novas tecnologias e nas alterações que as mesmas têm originado na Economia Mundial nos últimos 20 anos. Aliás, verdadeiros modelos de negócio que dávamos como monopólios estão totalmente alterados. Como exemplo, a maior companhia de táxis do Mundo não tem táxis (Uber), o maior arrendatário de habitação não tem casas (AirBnB) e o maior serviço de vendas do mundo não tem “stock” (Ali Baba).

Mas em que medida é que a única responsabilidade destas empresas conquistarem um mercado global tão rapidamente vem apenas no domínio das novas tecnologias? Um dos grandes fatores impulsionadores destes negócios à escala global foi a flexibilidade com que adotaram uma estratégia de negócio. Se por um lado a Estratégia nos permite definir o melhor business plan a adoptar para um determinado produto, setor ou alteração no modelo produtivo, por outro permite que as empresas criem defesas a fatores externos que na maioria das vezes não temos capacidade de controlar. Um exemplo disso é o Brexit. Centenas de empresas que exportam para o Reino Unido, estão à espera de fatores externos para poderem tomar uma decisão, mas muitas delas ainda não adotaram uma Estratégia para qualquer dos cenários.

São vários os setores que olham para a questão Estratégica da empresa como algo ligado ao departamento financeiro. Previsão de receitas, custos, matéria prima, taxa de juro bancária, etc. A Estratégia de uma empresa não pode e nem deve ser só isto. É olhar para o mercado e antecipar novos negócios, é validar (ou não) se o rumo que a empresa está a levar é o correto, é olhar para o potencial de crescimento através da entrada em novos mercados e ponderar se os mesmos fazem sentido, é encontrar parceiros de negócios que nos permitam alavancar a empresa de outra forma. A Estratégia deve também ser definida como algo pragmático que deve conter desde a sua construção o caminho a seguir para a sua implementação e formas de reajustes ao longo da sua implementação. Nos dias que correm, o que ontem era válido, amanhã poderá ter de ser reequacionado.

Vince Barabba, um ex-executivo da Kodak, afirmou que em 1981 a administração teve acesso a uma avaliação precisa do mercado sobre os riscos e as oportunidades que os próximos anos a empresa ia enfrentar. A Kodak assumiu que não deveria implementar a Estratégia que lhe foi apresentada e que nunca iria perder o monopólio do negócio. Olhar para a Estratégia como uma ferramenta poderosa fará com que muitas empresas tenham mais capacidade de enfrentar os desafios que todos os dias têm pela frente.

Se tem interesse em receber comunicação da EY Portugal (Convites, Newsletters, Estudos, etc), por favor Clique aqui

Recomendadas

Da (ir)razoabilidade da dilação do prazo dos pagamentos por conta de IRC

Na senda do significativo impacto provocado pelo surto da COVID-19 na atividade económica das empresas portuguesas, muito se tem discutido sobre o conjunto de medidas fiscais e parafiscais aprovadas pelo Governo, com vista a mitigar este impacto e aliviar a tesouraria das empresas.

O óbvio e o menos óbvio

É óbvio e comumente aceite que os incumbentes no setor financeiro enfrentam grandes forças disruptivas de mercado e que o atual processo de transformação passa, pelo menos, por tornar as estruturas de custos mais eficientes e adotar uma abordagem centrada no cliente. Rapidez, facilidade, instantaneidade, conveniência. O desenvolvimento da tecnologia noutras áreas da nossa vida […]

Process Mining nos serviços financeiros, rumo à eficiência operacional

Os efeitos negativos da atual pandemia começam a fazer-se sentir nos resultados das instituições financeiras, trazendo novos desafios e novas prioridades.
Comentários