Estudantes portugueses entre os que menos aprendem duas ou mais línguas na União Europeia

Portugal surge atrás da Grécia no número de estudantes que aprendem duas ou mais línguas no ensino secundário. França e Luxemburgo são os únicos países onde todos os estudantes do ensino secundário estudam duas ou mais línguas estrangeiras.

Portugal e a Grécia são os dois países da União Europeia onde a percentagem de alunos que aprende duas ou mais línguas é mais baixa.

De acordo com o dados divulgados esta sexta-feira pelo gabinete de estatística europeu Eurostat, em 2019, 59% dos estudantes europeus até ao ensino secundários estudavam duas ou mais línguas estrangeiras — uma tendência que se verificou em países como o Luxemburgo ou França onde todos os estudantes do ensino secundário estudavam duas ou mais línguas estrangeiras.

Na Estónia, Roménia, Republica Checa e Finlândia embora não a totalidade destes estudantes não esteja inscritos em mais de duas aulas de língua estrangeira, a percentagem de alunos continua a ser, em média, de 99%, seguindo-lhes a Eslováquia (98%), a Croácia (95%) ou a Eslovénia (92%).

Em sentido contrário, surge a Grécia que tem apenas 1% do corpo estudantil do ensino secundário a estudar duas ou mais línguas, abrindo alas para Portugal onde apenas 6% dos estudantes deste grupo estudam duas ou mais línguas.

“O conhecimento de línguas estrangeiras é uma ferramenta essencial para o intercâmbio cultural. É amplamente conhecido que tais habilidades são exigidas e incentivadas em muitos locais de trabalho e que podem facilitar a comunicação em vários outros contextos”, explica o Eurostat.

Entre as percentagens mais baixas de alunos que estudam duas ou mais línguas, o Eurostat inclui ainda a taxa de 12% dos estudantes irlandeses, 25% dos estudantes italianos e 27% dos estudantes espanhóis.

Durante o mesmo período, o gabinete de estatística apurou que o inglês era a língua mais estudada entre os estudantes do secundário na União Europeia, com cerca de 96% de alunos em todo o bloco. A língua espanhola surge em segundo com 26% dos estudantes europeus a estuda-la, em terceiro o alemão (20%) e o italiano em quarto (3%).

No que toca a línguas não-europeias, destaque para o russo é a língua mais ensinada entre os estudantes europeus (3%), especialmente em países como a Estónia (68%), Letónia (57%), Lituânia (30%) e Bulgária (24%).

 

Recomendadas

Professores e educadores convocam greve para 5 de novembro

As duas principais federações sindicais representativas dos professores justificam a greve precisamente com o OE2022, que dizem ignorar os problemas do setor, designadamente, questões que afetam a carreira docente e também os trabalhadores não docentes.

Jovens estudam mais, mas prémio salarial continua a cair

Este prémio salarial é conquistado por todos os trabalhadores de todas as gerações – desde 1920 até 1999 – que tenham um maior grau de escolaridade. Ainda assim, e numa análise geracional, o prémio tem sido reduzido com a passagem do tempo, sendo menor para as gerações mais recentes. 

NOVA impACT! Challenges entra na fase de seleção

As soluções podem ser variadas, incluindo aplicações, ferramentas informáticas, dispositivos físicos ou um plano de negócios. Têm é que estar alinhadas com pelo menos um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas.
Comentários