Estudo ambiental viabiliza aeroporto do Montijo mas alerta para ameaças às aves e ruído

O EIA entra esta segunda-feira em consulta pública, que se prolonga até 19 de setembro, podendo os interessados participar para que os contributos sejam considerados no parecer da Agência Portuguesa de Ambiente.

O Estudo de Impacte Ambiental (EIA) ao futuro aeroporto do Montijo viabiliza a construção desta infraestrutura nos terrenos da Base Aérea nº6 e a sua exploração, mas aponta “impactes significativos” para o ambiente, revela o “Público”.

De acordo com o documento a que o jornal teve acesso, os principais impactes negativos para o ambiente são as ameaças para as aves e o ruído, que tem efeitos na saúde humana. Em causa está o “aumento de pessoas, veículos e aeronaves” nessa zona. Ainda assim, o estudo diz que “nenhuma das espécies estudadas terá as suas populações afetadas”.

O EIA entra esta segunda-feira em consulta pública, que se prolonga até 19 de setembro, podendo os interessados participar para que os contributos sejam considerados no parecer da Agência Portuguesa de Ambiente.

No sábado, a ANA – Aeroportos de Portugal já recebeu da Agência Portuguesa de Ambiente (APA) informou ter recebido a declaração de conformidade do Estudo de Impacte Ambiental do aeroporto do Montijo e respetivas acessibilidades, e o arranque do processo de consulta pública. Nesta fase o objetivo é recolher contributos, opiniões, críticas de interessados, sejam cidadãos ou entidades, como organizações não governamentais do ambiente.

A informação recolhida na consulta pública ajudará à tomada de decisão sobre a avaliação de impacte ambiental, um instrumento que ausculta as preocupações e prováveis consequências ambientais do novo aeroporto. A APA irá emitir, então, a Declaração de Impacte Ambiental, um parecer que aprova ou chumba o projeto.

Recomendadas

Quercus diz que Portugal não consegue cumprir neutralidade carbónica com exploração de lítio

Relatório sobre o impacte de emissões de CO2 da mineração de lítio em Portugal, que será apresentado na segunda-feira, aponta que, se o Governo avançar com a campanha de exploração de lítio, “Portugal não vai conseguir cumprir a neutralidade carbónica”, revela responsável da Quercus.

António Costa sobre Amazónia: “O Brasil precisa de solidariedade e não de sanções”

“A Amazónia é um dos maiores pulmões do mundo e o que lá acontece é um problema global”, afirmou António Costa aos jornalistas, aquando de uma visita à Fatacil, em Lagoa.

Amazónia: Macron acusa Bolsonaro de mentir e diz-se contra o acordo UE-Mercosul

O Presidente de França, Emmanuel Macron, acusou esta sexta-feira o Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, de mentir em matéria de compromissos ambientais e anunciou que, nestas condições, França vai votar contra o acordo de comércio livre UE-Mercosul.
Comentários