Estudo ambiental viabiliza aeroporto do Montijo mas alerta para ameaças às aves e ruído

O EIA entra esta segunda-feira em consulta pública, que se prolonga até 19 de setembro, podendo os interessados participar para que os contributos sejam considerados no parecer da Agência Portuguesa de Ambiente.

O Estudo de Impacte Ambiental (EIA) ao futuro aeroporto do Montijo viabiliza a construção desta infraestrutura nos terrenos da Base Aérea nº6 e a sua exploração, mas aponta “impactes significativos” para o ambiente, revela o “Público”.

De acordo com o documento a que o jornal teve acesso, os principais impactes negativos para o ambiente são as ameaças para as aves e o ruído, que tem efeitos na saúde humana. Em causa está o “aumento de pessoas, veículos e aeronaves” nessa zona. Ainda assim, o estudo diz que “nenhuma das espécies estudadas terá as suas populações afetadas”.

O EIA entra esta segunda-feira em consulta pública, que se prolonga até 19 de setembro, podendo os interessados participar para que os contributos sejam considerados no parecer da Agência Portuguesa de Ambiente.

No sábado, a ANA – Aeroportos de Portugal já recebeu da Agência Portuguesa de Ambiente (APA) informou ter recebido a declaração de conformidade do Estudo de Impacte Ambiental do aeroporto do Montijo e respetivas acessibilidades, e o arranque do processo de consulta pública. Nesta fase o objetivo é recolher contributos, opiniões, críticas de interessados, sejam cidadãos ou entidades, como organizações não governamentais do ambiente.

A informação recolhida na consulta pública ajudará à tomada de decisão sobre a avaliação de impacte ambiental, um instrumento que ausculta as preocupações e prováveis consequências ambientais do novo aeroporto. A APA irá emitir, então, a Declaração de Impacte Ambiental, um parecer que aprova ou chumba o projeto.

Recomendadas

Cheias no Mondego: Ambiente estranha declarações do presidente da CAP sobre cheias no Mondego

Presidente da CAP disse que se não chover mais, vai faltar água no Mondego no próximo verão. Ministério liderado por João Pedro Matos Fernandes reage, dizendo que baixo caudal é intencional para garantir a segurança das pessoas.

Projeto para devolver garrafas de plástico nos supermercados deverá arrancar no primeiro trimestre de 2020

Segundo os promotores, este é um projeto muito importante para preparar a implementação do futuro sistema de depósito de embalagens de bebidas em plástico, vidro, metais ferrosos e alumínio, que deverá suceder ao sistema de incentivo a partir de 1 de janeiro de 2022.

Concentração de gases CO2 deverá atingir novo máximo devido aos incêndios na Austrália

A concentração de dióxido de carbono deverá atingir um pico acima de 417 partes por milhão em maio deste ano, enquanto a média do ano deverá rondar os de 414 ppm, até quase 3 ppm acima da média do ano passado, denuncia o Met Office no Reino Unido.
Comentários