Estudo da AEP revela que 60% das PME portuguesas têm créditos incobráveis

Segundo o estudo, 49% destas empresas têm mais de 50% das vendas a crédito a clientes sobre o total do volume de negócios.

De acordo com o relatório de diagnóstico às necessidades de colaboração e fornecimento das pequenas e médias empresas (PME), realizado no âmbito do projeto AEP Link, promovido pela AEP – Associação Empresarial de Portugal, 59% das Pequenas e Médias Empresas (PME) portuguesas inquiridas têm créditos incobráveis, sendo que 95% têm origem em operações nacionais.

Segundo esse mesmo estudo, 49% destas empresas têm mais de 50% das vendas a crédito a clientes sobre o total do volume de negócios.

“O estudo desenvolvido pela consultora Deloitte, entre abril de 2019 e março de 2020, teve por base um inquérito feito junto de uma amostra constituída por 1.766 PME portuguesas, para avaliar, entre outros aspetos, a sustentabilidade destas empresas”, adianta um comunicado da AEP.

Esta nota acrescenta que, “no que respeita à gestão do risco de crédito, 49% das PME inquiridas recorrem a fontes de informação externa para gerir o risco da sua carteira, sendo a informação bancária (50%) e os relatórios de crédito (30%) os principais instrumentos utilizados”.

“Além do crédito, a análise à sustentabilidade empresarial do estudo considerou ainda como critérios a liquidez e as atividades de prospeção de clientes das PME, concluindo, no que respeita a instrumentos de liquidez, que os bancos são o principal meio utilizado pelas PME (68%), seguindo-se o crédito de fornecedores (31%)”, avança o referido comunicado.

Luís Miguel Ribeiro, presidente da AEP, salienta que “no que concerne à prospeção de clientes, este estudo conclui que 73% das PME não utilizam plataformas ‘web’ de análise e procura de novos clientes”, e aponta as feiras e missões empresariais como “as ferramentas de prospeção de clientes mais utilizadas”.

O presidente da AEP refere ainda que relativamente a perspetivas de vendas das empresas inquiridas, “verificámos que 66% pretendem aumentar as vendas no mercado internacional nos próximos três anos, e 81% perspetivam um aumento das vendas no mercado nacional também no próximo triénio”.

“Além dos aspetos relacionados com a sustentabilidade empresarial, o estudo desenvolvido no âmbito do projeto AEP Link considera ainda os três fatores críticos basilares para a competitividade das empresas: economia digital, inovação e investimento. O relatório teve assim como objetivo aferir a maturidade digital das PME; os constrangimentos e necessidades ao nível da inovação; e as necessidades de investimento por parte das PME face aos seus objetivos de expansão e consolidação de negócio, as principais opções de captação de capital; e ainda identificar as áreas corporativas com maior urgência de investimento”, explica o comunicado em questão.

 

Ler mais
Relacionadas

Bruxelas alarga quadro temporário dos auxílios estatais para micro e pequenas empresas e startups

A Comissão Europeia aumenta também os incentivos para os investidores privados participarem nas medidas de recapitalização de empresas, no caso daquelas que o fazem juntamente com o Estado.
Recomendadas

Luís Filipe Vieira recandidata-se à presidência do SL Benfica

O dirigente máximo dos ‘encarnados’ fez a revelação na reunião dos órgãos sociais que teve lugar esta terça-feira e assumiu-se como candidato à presidência do clube. Caso seja reeleito, poderá manter-se à frente das ‘águias’ até outubro de 2024.

EDP: Despacho de juiz alude a troca de favores entre Mexia e Manuel Pinho

Segundo o MP, foi também acordado, que da parte do ministro haveria a concessão de benefícios indevidos à EDP, através do exercício das suas funções públicas, tendo como contrapartida o apoio da EDP à sua carreira profissional e académica quando saísse do Governo.

CIP apela à aprovação do plano de recuperação: “Previsões de Bruxelas são um novo sinal vermelho”

A Confederação Empresarial de Portugal defende ainda a “rápida” intervenção do Governo português, que passa pela criação de uma ‘bazuca’ nacional’ “que faça mesmo a diferença”.
Comentários