Estudo da Anacom indica rede da Vodafone como a melhor no Alentejo

O estudo da Anacom, que também considerou o desempenho das chamadas de voz e da utilização de dados móveis no Alentejo, foi realizado em maio de 2019, entre os dias 7 e 28, nos distritos de Portalegre, Évora e Beja, bem como em parte dos distritos de Santarém e Setúbal, num total de 58 municípios (correspondente a 34% da superfície do país).

A Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) tem em vista a divulgação de uma série de estudos sobre a qualidade das redes móveis em Portugal, tendo sido o primeiro divulgado na terça-feira. O estudo incidiu sobre a região do Alentejo, área onde a rede da Vodafone registou a primeira posição na quase totalidade dos indicadores definidos pelo regulador.

A Vodafone teve pior classificação nos itens “rácio de terminação de chamadas” e “nível de sinal GSM”, sendo superada pela Meo. O operador chefiado por Mário Vaz teve a melhor prestação nos indicadores  “tempo de estabelecimento de chamadas”, “qualidade de áudio”, “velocidade de transferência de dados”, “duração de transferência de página web”, “resolução de vídeo”, “qualidade de vídeo” ou “latência”, entre outros, a empresa atingiu a primeira posição.

“O operador Vodafone apresenta os melhores desempenhos, com ritmos médios de 34,10 megabytes por segundo (Mbps) e de 14,97 Mbps, respetivamente para download e upload, com diferenças estatisticamente significativas face aos restantes operadores”, lê-se no mesmo documento. A Meo registou “ritmos médios de 18,11 Mbps e de 9,10 Mbps, respetivamente para download e upload”, e a Nos de “15,83 Mbps e de 6,78 Mbps”, lê-se no estudo da Anacom no ponto relativo à velocidade de transferência de dados, por exemplo.

Já a NOS obteve a terceira posição na generalidade dos pârametros avaliados, ficando em alguns equiparada com a Meo.

A NOS ficou no terceiro lugar em dez critérios, nomeadamente no que respeita ao “tempo de estabelecimento de chamadas”, à “velocidade de transferência de dados”, à “duração das interrupções”, à “qualidade de vídeo” ou o nível de sinal nas diversas tecnologias de comunicações móveis – GSM (2G), UMTS (3G) e LTE (4G).

Apesar das diferentes classificações, verificando-se uma superioridade da Vodafone, o organismo liderado por João Cadete de Matos considerou que não se observou “diferenças expressivas entre os operadores ou entre as tipologias de áreas urbanas”, face ao serviço de voz em concreto. Já sobre transferência de dados, a Anacom registou “níveis adequados” por parte dos serviços dos operadores, sem “diferenças relevantes” tanto em download como em upload entre as empresas prestadoras de serviços.

O estudo da Anacom, que também considerou o desempenho das chamadas de voz e da utilização de dados móveis no Alentejo, foi realizado em maio de 2019, entre os dias 7 e 28, nos distritos de Portalegre, Évora e Beja, bem como em parte dos distritos de Santarém e Setúbal, num total de 58 municípios (correspondente a 34% da superfície do país). Os operadores foram avaliados em cerca de vinte parâmetros.

A análise da Anacom incidiu sobre “891 chamadas de voz, 5853 sessões de dados e 55.0597 medições de sinal rádio, correspondendo a aproximadamente 297 chamadas de voz, 325 sessões de dados e 61.200 medições de sinal rádio, por indicador e operador”.

Ler mais
Recomendadas

Mutualista diz que fusão do Montepio com BCP colide com os interesses dos associados

“O Banco Montepio dispõe de soluções de capital ajustadas às suas necessidades e encontrará o seu próprio caminho de estabilização”, garante a instituição liderada por Virgílio Lima. “Uma fusão desta natureza corresponderia à sua descaracterização, algo que colide com os interesses da Associação e dos associados”, defendem.

Grupo Os Mosqueteiros investe 25,3 milhões para abrir mais seis lojas Intermarché em Portugal

Este investimento irá permitir a criação de 265 novos postos de trabalho de norte a sul do país, asseguram os responsáveis do grupo francês de distribuição.

Tribunal espanhol adia audições dos responsáveis do CaixaBank sobre compra do BPI

Segundo a agência Efe, problemas técnicos impediram a audição telemática do presidente da Criteria e ex-presidente do CaixaBank. O julgamento que está em curso desde 2018 decorre de uma queixa de acionistas minoritários que se sentiram lesados com algumas operações inerentes à compra do BPI em 2017.
Comentários