Estudo da Mercer conclui: 80% das empresas não baixou nem vai baixar os salários

Uma em cada cinco empresas em Portugal admite que vai reduzir o número de trabalhadores.

Cerca de 80% das empresas não implementou nem considera implementar reduções salariais em 2020, conclui um estudo da consultora Mercer.

“A edição de 2020 do estudo ‘Total Compensation’ da Mercer, a maior de sempre que conta com a participação de 466 empresas em Portugal, inclui um capítulo especial dedicado ao impacto da Covid-19 na compensação”, destaca um comunicado da consultora, acrescentando que, “de acordo com os dados apurados, a pandemia fez rever em alta a intenção de congelamento salarial no tecido empresarial português, para 17%”.

Segundo o mesmo documento, “a previsão para 2021 é de que haja um ligeiro abrandamento ao nível dos incrementos salariais, perspetivando-se o congelamento salarial em algumas das empresas inquiridas”.

“A par dos salários, também as contratações estão previstas de ficar congeladas em cerca de 39% das empresas, existindo ainda 13,5% que consideram diminuir o número de contratações”, avançam os responsáveis da Mercer.

Há ainda outras conclusões a destacar: perante o cenário de pandemia, 19% das organizações admite vir a diminuir o número de colaboradores em 2020; as saídas voluntárias situam-se agora nos 5,6%, contrapondo aos 10% registados em 2019; em 2020, os bónus/incentivos de curto prazo relativos a 2019 foram pagos pela quase totalidade das empresas (92%), sendo que, para este ano, 23% das empresas antecipa que o valor será inferior ao ano anterior.

Mais uma vez, o estudo da Mercer atingiu um recorde de participação – foram analisados 140.000 postos de trabalho em 466 empresas.

“De acordo com o estudo ‘Total Compensation Portugal 2020’, realizado pela Mercer, que analisou este ano 140.000 postos de trabalho em 466 empresas no mercado português, o impacto da Covid-19 alterou as tendências nas compensações previstas pelas empresas nacionais, como por exemplo os incrementos salariais. Se em 2019 apenas 3% das empresas nacionais consideravam o congelamento salarial, em 2020 este número subiu para 11% em abril/maio. No entanto, e de acordo com a ‘Special Edition do Total Compensation’ da Mercer, um capítulo especial desenvolvido com foco no Covid-19 em julho, a percentagem de empresas portuguesas que manifesta esta intenção evoluiu para 17%”, assinala o referido comunicado.

Segundo Tiago Borges, Career Business Leader da Mercer, “2020 trouxe-nos a todos o desafio da pandemia e, ao ‘Total Compensation’, a necessidade de fazer refletir o seu impacto na compensação”.

“Ciente desta urgência, a Mercer optou por uma abordagem inovadora a nível global e realizou uma 2ª fase de recolha de dados em julho, de modo a poder apresentar nos resultados do estudo, informação atual sobre os impactos da Covid-19 ao nível da compensação. Assim, as tendências que hoje apresentamos focam as ações tomadas pelas empresas em Portugal, na sua necessidade de responder a uma situação sem precedentes. Congelar salários e contratações são exemplos das medidas mais duras, mas, numa perspetiva positiva, a grande maioria das empresas não prevê diminuir o seu ‘headcount’ nem prevê recorrer a reduções salariais”, garante aquele responsável.

De acordo com os responsáveis da Mercer, “neste estudo, foi ainda possível aferir que o número de empresas que prevê contratar novos colaboradores sofreu uma grande quebra em comparação com o ano anterior”.

“Em plena pandemia, cerca de um quinto das empresas participantes (19%) admitiu a perspetiva de diminuir o número de colaboradores em 2020. No entanto, mais de metade (58%) afirma não existir qualquer plano de alteração ao nível do ‘headcount'”, assumem os responsáveis da Mercer.

O ‘Total Compensation’ desta consultora apurou ainda que 39% das empresas participantes na ‘Special Edition’ “indica ter optado pelo congelamento das contratações em 2020 e cerca de 13,5% indica ter optado por diminuir o número de contratações previstas”.

“De destacar também que para cerca de 46% das empresas as intenções de contratação não foram alteradas”, frisa o documento em questão.

Os responsáveis da Mercer salientam que, “relativamente à remuneração variável e ao pagamento de bónus/incentivos de curto prazo, 92% das empresas afirma ter pago os montantes relativos ao desempenho de 2019, de acordo com o previsto”.

“Para 2020, 44% considera que ainda é cedo para prever se o pagamento será superior ou inferior ao realizado relativamente ao desempenho de 2019. No entanto, 23% das empresas antecipa que a expectativa é de que esse valor seja inferior”, alerta a Mercer.

A equipa da Mercer assinala ainda que “um tema que surgiu na ‘Special Edition’ é referente ao teletrabalho e à adoção de práticas de trabalho flexível, implementadas pela quase totalidade das empresas respondentes a este estudo”.

“Cerca de 77% das empresas afirma ter optado pela implementação/reforço de políticas de trabalho flexível, como a adoção de horários de trabalho flexíveis, ou a possibilidade de escolher trabalhar a partir de casa ou do escritório. A maioria das empresas afirma acreditar que o recurso a modalidades de trabalho flexível será frequente, mesmo no pós-pandemia”, conckui o estudo da Mercer.

Relativamente às intenções de contratação, o ‘Total Compensation 2020’ apurou que cerca de 36% das organizações pretende aumentar o número de colaboradores em 2020, e cerca de 39% em 2021.

“No entanto, e no capítulo ‘Special Edition’, dedicado ao impacto do Covid-19, com dados recolhidos em julho, mais de metade das empresas nacionais (53,8%) referiu que estas mesmas intenções de contratação foram alteradas, com 72,5% destas organizações a afirmar que optou por congelar as contratações”, avisam os responsáveis da consultora, adiantando que “estes números revelam assim que 39% do total das empresas participantes na ‘Special Edition’ indica ter optado pelo congelamento das contratações em 2020 e cerca de 13,5% indica ter optado por diminuir o número de contratações previstas”.

Marta Dias Gonçalves, Surveys Leader da Mercer, destaca ainda que “de facto a evolução dos números entre a 1ª recolha de dados (em abril/maio) e a 2ª (julho), permitem-nos ter uma clara noção das medidas e ações que foram sendo adotadas pelas empresas em resposta à pandemia”.

“Ao nível dos salários ‘per si’, não se observam quaisquer alterações – conforme seria de esperar, uma vez que este tipo de variações requerem um ciclo mais longo – nem mesmo relativamente a bónus, uma vez que a quase totalidade das empresas optou por pagar a remuneração variável relativa ao desempenho de 2019. No entanto, os dados conduzem-nos à previsão de que em 2021 o cenário poderá ser um pouco diferente, em particular no que diz respeito à remuneração variável”, acredita esta responsável da consultora.

De acordo com os dados recolhidos, cerca de 86% das empresas que participaram no estudo realizam a sua revisão salarial uma vez por ano. Desta percentagem, 28% escolhe o mês de março para a revisão, 25% opta pelo mês de abril e 20% por janeiro. Neste período, a percentagem de incremento atribuída aos colaboradores é determinada por um conjunto de fatores que influenciam diretamente o valor disponibilizado para esse fim. Assim sendo, surgem como fatores prevalentes na atribuição de incrementos, o desempenho individual do colaborador (cerca de 94%), o posicionamento na grelha salarial (cerca de 68%) e os resultados da empresa (cerca de 64%), tal como se pode verificar pela observação da tabela em baixo.

As conclusões deste estudo da Mercer abordam ainda outras questões como a redução do ‘turnover’ voluntário, incrementos salariais em 2020 e 2021 (na fase pré-Covid), incentivos de curto e de longo prazo, benefícios, trabalho remoto e flexível

Para este estudo, foram analisados 140 mil postos de trabalho em 466 empresas presentes no mercado português.

A amostra do estudo ‘Total Compensation 2020’ é constituída maioritariamente por empresas multinacionais (51%) com a localização da casa-mãe, em cerca de 20% dos casos, nos Estados Unidos.

Esta amostra inclui empresas de diversos setores de atividade, representativos do tecido económico e empresarial português. Os mais representativos são os setores de serviços gerais (cerca de 17%), serviços financeiros (cerca de 15%), indústrias diversificadas (cerca de 12%), bens de consumo (cerca de 11%) e ‘hi-tech’/telecomunicações (cerca de 9%).

Em relação ao volume de negócios, foi analisada uma amostra diversificada, estando representadas pequenas, médias e grandes empresas. O universo encontra-se, no entanto, repartido sobretudo entre as empresas com menos de 50 milhões de euros de faturação (cerca de 58% da amostra) e mais de 100 milhões de euros de faturação (cerca de 28% da amostra).

Relativamente ao número de colaboradores, a amostra analisada é maioritariamente constituída por empresas com um quadro de pessoal até cem colaboradores (cerca de 44% da amostra), sendo que cerca de 14% das empresas participantes detêm mais de mil colaboradores.

“Verifica-se qua existência de equilíbrio entre géneros (50% feminino e 50% masculino). Quanto à faixa etária, cerca de 30% das observações situa-se entre os 26 – 35 anos. A nível de antiguidade, verifica-se que a maior prevalência se encontra no intervalo entre os 0 e os 3 anos de permanência na empresa (cerca de 38%), seguido da faixa entre 4 e 7 anos de antiguidade com 15%. As habilitações literárias mais prevalentes são a licenciatura e o nível de ensino secundário (cerca de 28% e 38%, respetivamente)”, conclui o comunicado da Mercer.

A Mercer tem mais de 25 mil colaboradores em 44 países e opera em mais de 130 países.

É uma subsidiária da Marsh & McLennan, a empresa que reclama a liderança global em serviços profissionais nas áreas de risco, estratégia e pessoas.

A Mercer obteve receitas anuais de 17 mil milhões de dólares (USD) no ano passado e emprega 76 mil colaboradores em todo o mundo, incluijdo nas outrs empresas do grupo: Marsh, Guy Carpenter, Mercer e a Oliver Wyman.

Recomendadas

Crise dos combustíveis deverá levar a subida de preços dos serviços até 15% em Portugal (com áudio)

O ajustamento em alta acumula-se ao aumento dos preços na ordem dos 5%, atribuído à retoma económica e ao crescimento da procura no período de desconfinamento em Portugal.

OE2022. UTAO alerta para riscos associados à pandemia e regras de Bruxelas

A unidade técnica lembra que as regras orçamentais de Bruxelas foram suspensas na sequência da pandemia, mas um levantamento desta suspensão pode significar que a “consolidação que não se faça nas condições menos exigentes de 2022 terá que ser feita com menos graus de liberdade em 2023 e anos seguintes”.

Financiamento das administrações públicas recua em agosto para 6,2 mil milhões de euros

Este valor em agosto resulta do financiamento em 11,7 mil milhões junto dos bancos residentes, que é compensado pelas rubricas relativas à relação com o restante sector financeiro e com o exterior, em que as administrações públicas nacionais são financiadoras em 3,4 e 2,1 mil milhões de euros, respetivamente.
Comentários