PremiumEstudo: Setores alimentar e farmacêutico podem ganhar quota

Estudo da EY aconselha a que seja desenvolvido um esforço para que Portugal considere o Reino Unido um parceiro económico após a saída da UE.

Como em cada medalha há sempre um reverso e em cada ameaça está sempre à espreita uma oportunidade, também no caso do Brexit a economia portuguesa pode beneficiar, não havendo apenas efeitos negativos a contabilizar com a saída previsível do Reino Unido do espaço comunitário. Assinalando que este será sempre um processo assimétrico e de longa duração nas negociações, consequências e impactos, o estudo encomendado pela CIP à consultora EY recomenda, em primeiro lugar, “um esforço pró-ativo de valorização do Reino Unido como parceiro económico de Portugal”.

“A experiência portuguesa noutro momento recente de alteração do quadro institucional do relacionamento económico da Europa, o alargamento a centro e leste da União Europeia, concretizado a partir de 2004, sugere, com efeito, que os riscos de perda da interação real quando ela é forte e tendencialmente superior à interação potencial são muito elevados e exigem um ativo e cuidado acompanhamento”, relembrando que “a concretização da perda de uma parte substancial da interação económica entre Portugal e a Alemanha para o novo espaço da Europa Central constitui um importante ‘aviso à navegação’ na mitigação das ameaças do Brexit”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

“Não querem partilhar controlo”. Empresas portuguesas explicam à OCDE porque não entram em bolsa

Os custos relacionados, os baixos níveis de liquidez e a complexidade da regulação também foram obstáculos mencionados por mais da metade das empresas num inquérito conduzido pela OCDE.

Falta de liquidez é o principal fator que leva cotadas a abandonar a bolsa portuguesa, diz a OCDE

A OCDE sublinha que, nas últimas duas décadas, o número de empresas cotadas na bolsa de valores portuguesa diminuiu em dois terços, de 148 para 55, resultado de uma queda no número de novas listagens e um grande número de empresas que deixaram o mercado de ações através de cancelamentos de registo.

Bruxelas diz que exclusão de viajantes europeus na União Europeia é inaceitável

“Se isto estiver a acontecer, teremos de analisar o que poderá ser feito. São claras situações discriminatórias que, por princípio, não são aceitáveis”, declarou em entrevista à agência Lusa, em Bruxelas, o comissário europeu dos Direitos Sociais, Nicolas Schmit.
Comentários