PremiumEstudo: Setores alimentar e farmacêutico podem ganhar quota

Estudo da EY aconselha a que seja desenvolvido um esforço para que Portugal considere o Reino Unido um parceiro económico após a saída da UE.

Como em cada medalha há sempre um reverso e em cada ameaça está sempre à espreita uma oportunidade, também no caso do Brexit a economia portuguesa pode beneficiar, não havendo apenas efeitos negativos a contabilizar com a saída previsível do Reino Unido do espaço comunitário. Assinalando que este será sempre um processo assimétrico e de longa duração nas negociações, consequências e impactos, o estudo encomendado pela CIP à consultora EY recomenda, em primeiro lugar, “um esforço pró-ativo de valorização do Reino Unido como parceiro económico de Portugal”.

“A experiência portuguesa noutro momento recente de alteração do quadro institucional do relacionamento económico da Europa, o alargamento a centro e leste da União Europeia, concretizado a partir de 2004, sugere, com efeito, que os riscos de perda da interação real quando ela é forte e tendencialmente superior à interação potencial são muito elevados e exigem um ativo e cuidado acompanhamento”, relembrando que “a concretização da perda de uma parte substancial da interação económica entre Portugal e a Alemanha para o novo espaço da Europa Central constitui um importante ‘aviso à navegação’ na mitigação das ameaças do Brexit”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Portugueses recorrem cada vez mais ao crédito. 635 milhões em setembro

Os portugueses recorreram mais ao crédito no mês de setembro num total de 635 milhões de créditos contraídos. De acordo com uma nota publicada pelo Banco de Portugal esta sexta-feira, 15 de novembro, relativa à evolução dos novos créditos aos consumidores, os portugueses pediram um total de 295 milhões de euros em crédito pessoal, num […]
marcelo_rebelo_sousa_legislativas

Marcelo considera aumento do salário mínimo “razoável” e promulga hoje o diploma

O Presidente da República vai promulgar hoje o diploma que estabelece um aumento do salário mínimo nacional para 635 euros em 2020, que considera “uma solução razoável, a pensar na economia e na sociedade portuguesa”.

Exclusivo: Farfetch com ‘breakeven’ em 2021 é “cenário perfeitamente realista”, diz José Neves

Em entrevista ao JE, o CEO diz que a empresa ainda não tem ‘guidance’ oficial, mas vê como correta a estimativa dos analistas sobre o ‘breakeven’ ao nível do EBITDA daqui a dois anos. A melhoria da margem no terceiro trimestre mostra o caminho a seguir, diz, mostrando confiança numa subida das ações. Cotação do título dispara 33% na abertura em Wall Street.
Comentários