EUA impõem taxa de 37% à venda de papel português. Navigator vai contestar

À taxa de câmbio atual, a taxa terá um impacto estimado de aproximadamente 66 milhões de euros no EBITDA – lucros antes de juros, impostos, depreciações e amortizações – da Navigator e de 45 milhões nos lucros líquidos deste ano.

Os Estados Unidos decidiram aplicaram uma taxa anti-dumping de 37,34% retroativa ao papel vendido pela portuguesa Navigator entre agosto de 2015 e fevereiro de 2017. Durante esse período, a taxa provisória e sob revisão era de 0% pelo que a Navigator irá contestar a decisão, segundo anunciou em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

O processo teve início em fevereiro de 2015, seguindo-se a determinação de uma taxa de depósito provisória de 29,53% em agosto desse ano, com base numa avaliação preliminar. Na avaliação final, de janeiro de 2016, a taxa foi reduzida para 7,8% pela correção de um erro administrativo, sendo que essa taxa esteve em vigor até à presente data.

“Esta alteração constitui uma modificação substancial da taxa anterior e, tendo em consideração que as autoridades norte-americanas não solicitaram informações adicionais nem se verificaram quaisquer alterações de circunstâncias, acreditamos que esta decisão reflete uma mudança intencional dos pressupostos assumidos pelo Departamento de Comércio com o objetivo de aumentar a taxa final sobre vendas de papel Navigator para os EUA”, afirma a empresa, em comunicado.

À taxa de câmbio atual, a taxa terá um impacto estimado de aproximadamente 66 milhões de euros no EBITDA – lucros antes de juros, impostos, depreciações e amortizações – da Navigator e de 45 milhões nos lucros líquidos deste ano.

A Navigator garante ter sempre colaborado com as autoridades dos EUA e sublinhou continuar a defender que não existem fundamentos para “a aplicação de medidas desta natureza às vendas dos seus produtos nos Estados Unidos”.

A empresa liderada por Diogo Rodrigues de Silveira vai recorrer dessa decisão e interpor uma providência cautelar para impedir a Alfândega dos EUA de aplicar a nova taxa sobre as importações efetuadas durante o primeiro período de revisão.

Apesar do recurso, a nova taxa será aplicável a todas as importações depois da data de publicação da decisão, que está prevista para dentro de aproximadamente uma semana. A impugnação judicial pela Navigator irá também cobrir esta medida.

“A Navigator recorrerá a todos os meios processuais disponíveis e está convencida que vai conseguir demonstrar perante os tribunais norte-americanos que a taxa acima mencionada para o período em causa é totalmente injustificada e, consequentemente, fazer com que o Departamento de Comércio reverta esta medida administrativa”, referiu a empresa.

A papeleira portuguesa desenvolve atividades comerciais nos EUA há 18 anos, especialmente no segmento de papel premium, com preços médios mais de 15% acima do benchmark do mercado norte-americano. “A Navigator vai continuar a defender o direito de fornecer à sua leal clientela nos EUA as marcas de elevada qualidade que esta tem constantemente exigido”, concluiu.

Ler mais
Recomendadas

Antonoaldo Neves: Quem vai pagar os prejuízos da TAP com a suspensão de 90 dias nos voos para a Venezuela?

A suspensão da TAP nos seus voos para a Venezuela representam prejuízos de pelo menos 10 milhões de euros, referiu o presidente executivo da TAP no final da conferência de imprensa de apresentação dos resultados de 2019.

Efacec assegura que “reúne todas as condições” para pagar salários e a fornecedores

Empresa afasta qualquer cenário de incumprimento, após Isabel dos Santos, que detém perto de 70% da Efacec, ter alertado hoje em comunicado de que o congelamento de contas das suas empresas se estende ao bloqueio de ordens de pagamento de salários, impostos a fornecedores e à Segurança Social.

Segunda fase da mudança da faixa da TDT arranca dia 24 de fevereiro

A segunda fase do processo de levantamento da rede TDT da faixa que será ocupada pelo 5G abrange os distritos de Évora, Beja e Setúbal.
Comentários