Euro sobe após divulgação de dados económicos na zona euro e nos EUA

Às 18:00 (hora de Lisboa), o euro negociava a 1,1847 dólares, acima dos 1,1818 dólares a que seguia na quinta-feira à mesma hora. O Banco Central Europeu (BCE) fixou a taxa cambial de referência do euro em 1,1813 dólares.

O euro subiu hoje em relação ao dólar após a publicação de dados das vendas a retalho nos Estados Unidos e do crescimento económico na zona euro.

Às 18:00 (hora de Lisboa), o euro negociava a 1,1847 dólares, acima dos 1,1818 dólares a que seguia na quinta-feira à mesma hora.

O Banco Central Europeu (BCE) fixou a taxa cambial de referência do euro em 1,1813 dólares.

Hoje foi divulgado que o Produto Interno Bruto (PIB) da zona euro caiu 12,1% no segundo trimestre devido ao impacto da pandemia de covid-19.

Nos Estados Unidos, as vendas a retalho aumentaram 1,2% em julho, o que representa uma desaceleração em relação à subida de 8,4% registada em junho.

A suspensão das negociações no Congresso norte-americano para um novo plano de relançamento da economia também tem penalizado o dólar.

 

Divisas……………hoje…………..quinta-feira

 

Euro/dólar…………1,1847………………1,1818

 

Euro/libra…………0,90426…………….0,90335

 

Euro/iene………….126,14………………126,29

 

Dólar/iene…………106,47………………106,87

Ler mais

Recomendadas

Wall Street aguenta, mas perdeu fôlego ao longo do dia

Os principais índices do outro lado do Atlântico estiveram a subir, mas no final do dia acabaram por ceder. Mesmo assim, dizem os analistas, os investidores continuam a confiar em novos estímulos à economia.

Sexta sessão em queda. Bolsa de Lisboa penalizada por perdas do BCP e Galp

Num quadro pintado de encarnado, a EDP Renováveis e a Sonae sobressaíram pela positiva, ao subirem ambas cerca 0,20%. Nas restantes praças europeias, igualmente pessimistas, destacam-se as transações de M&A da banca espanhola – desta feita, entre o Unicaja e o Liberbank.

Depois das fortes quedas de quarta-feira, Wall Street abre em baixa

As inscrições no desemprego nos Estados Unidos aumentaram na última semana, sugerindo uma recuperação mais lenta do mercado laboral devido às medidas restritivas para limitar a propagação de covid-19, indicam os números divulgados hoje.
Comentários